Querido amigo,

As minas que encaram estádio não são algo inusitado, e muito menos troféus. Não as transformem em ETs. Aceitas que elas podem ser uma boa companhia. Não se sinta menos homem, ou algo do tipo, porque encontrou uma mulher que entende de futebol tanto quanto, ou mais que, você. Sorria, pois com certeza encontrou alguém para compartilhar conteúdos mais abrangentes e informações detalhadas sobre os assuntos que fazem o mundo da bola. Aceitas que a paixão dela por futebol não é apropriação de algo que você gosta, de uma atividade exclusiva masculina. Futebol é algo que ela também é delas, é normalzão isso.

É normal você encontrar uma mulher no ônibus, percorrendo quilômetros, para ver o São Paulo jogar.

É normal estar em uma roda de homens que gostam, e realmente entendem, de futebol sem perguntar o que é impedimento.

É normal cancelar um cinema com os amigos porque hoje é dia de rodada.

É normal dizer “não tenho roupa pra sair”, e só ter roupa do São Paulo.

É normal acordar às 8 horas e já estar pronta para o jogo que é só às 16 horas.

É normal acordar e perder almoço de domingo, porque já estamos a caminho do Morumbi.

É normal elas terem ansiedade pré-jogo.

É normal que ela fique animada, ou mau-humorada, pós-jogo.

Amigo, se tem uma coisa que não é normal é escutar comentários desconfortáveis, que jorram preconceito, referente ao nosso amor por um clube de futebol, por apoia-lo. Não é normal a ideia de que futebol e mulher não combinam. De que mulher para se envolver com futebol tem que ser “maria macho” ou “maria chuteira”.

Aceitas!

Todos nós estamos sujeitos a escolher o que realmente nos faz felizes. E se tem uma coisa que mulher pode é amar, e apoiar, o que – e quem – ela quiser. E “se você acha que mulher e futebol não combinam, você não entende nem de uma coisa, nem de outra“.