Jose-Jacobsen

 

 

 

Salve, Nação Tricolor!

Foi contagiante ver o M1to liderando nosso clube, ganhar um título, em pré-temporada, em cima daquele time desconhecido internacionalmente, foi empolgante. Todavia é evidente a necessidade de um camisa 9, considerando que não fizemos sequer 1 gol em 180 minutos na Flórida Cup. O time de Rogério impressionou, mas não fez gol.

Por conseguinte, hoje o texto será breve e incisivo, estamos iniciando com o mesmo problema do ano passado, não temos finalização e, pasmem, hoje o diretor José Jacobson Neto afirmou não haver necessidade de contratação de um centro-avante. Analisemos os fatos!

1º – Em 2016, após as perdas de Calleri, Kardec, Rogério, fomos acometidos por sequências de jogos sem gols, tive a impressão que o nosso ataque não ofendia ninguém, até mesmo jogando em casa.

2º- Recebemos como reforço Chavez, que no Boca jogava como ponta, quebrava um galho como atacante e era reserva do reserva. Apesar de ele ser um cara esforçado, brigador e ter feito 9 gols, está longe de atender as expectativas de um clube grande como São Paulo. Também chegou o Gilberto, que estava no futebol do Canadá (lá tem futebol?), nem lá foi protagonista. Após essas contratações “bombásticas”, ainda continuamos inofensivos.

3º- Ficamos entre os cinco piores ataques do Brasileirão em 2016.

4º- Times como Santa Cruz e Vitória fizeram mais gols que o São Paulo. Repetindo até o rebaixado, penúltimo lugar da tabela, fez mais gols que o único Trimundial do Brasil.

5º- O que nos salvou foi uma defesa sólida e o reforço advindo de Cotia. Ademais muito mérito teve o Cueva, que além de fazer gols, por vezes, criou, deu assistências do tipo “faz e me abraça”, mas sem êxito dos finalizadores.

6º- Como não precisamos de um centro-avante se ainda há pouco a diretoria participou de negociações frustradas envolvendo Colmán, Calleri, Ricardo Oliveira, Rafael Marques, Sassá, Willian Bigode e Nilmar? (Acho mais adequado afirmar que não conseguiram, em vez de dizer que não precisamos.)

8º- No passado recente, negamos nomes como Ricardo Oliveira, que foi para o Santos e arrebentou. Também não nos servia o Grafite que foi para o Santa Cruz e teve melhor aproveitamento que nosso ataque, ficando como vice-artilheiro do Brasileirão.

7º- Mesmo com a nossa inoperância e ineficiência em contratar atacantes, negamos Luís Fabiano, o qual foi procurado por times como Santos que tem o artilheiro do último Campeonato Paulista. Por que ele cabe no time do Santos, e não cabe no São Paulo. Tudo bem que uma parte da torcida não concorda com a contratação, mas temos de nos lembrar de que dispomos apenas de Chavez, Gilberto e o menino Pedro. (Não cabe o Luís Fabiano?)

Infelizmente, não encontraremos um camisa 9 digno de são Paulo barato. Nomes como Lucas Prato, Fred, Calleri, Alexandre Pato, Marco Rúben, Ismael Sosa, Miguel Borja e, até Gignac, seriam muito bem-vindos ao tricolor, porém não estão em liquidação.

Será que não seria o momento de uma venda do Luís Araújo, já que estamos recebendo propostas?

Diante do exposto, é inegável que se faz fulcral a contratação de um grande atacante, um goleador como sempre tivemos!