E em menos de um ano a história se repete, após perdermos o técnico Juan Carlos Osório em Outubro do ano passado para a seleção do México, hoje foi oficializada a saída do técnico Patón Bauza que a partir de agora treinará a seleção da Argentina.

E o São Paulo tão conhecido por revelar craques, atualmente está sendo lembrado por “revelar” técnicos para as seleções latino-americanas. Sim, “revelar” entre aspas, porque ambos já eram técnicos conhecidos internacionalmente e a palavra pode soar inadequada, mas não vejo outra definição para ilustrar a situação vivida no clube.

Osório era o rei das invenções e adaptações, cada partida era um “mini-infarto”, mas ele tinha muito prestígio como técnico. Era louco, fazia umas adaptações medonhas que às vezes até funcionavam. Ficou por 28 partidas e quando estava engrenando no comando da equipe saiu para comandar a seleção do México.

Edgardo Baixa mesmo bi-campeão da Libertadores chegou desacreditado pela mídia e de certa forma pela torcida também. Foi uma dificuldade só para dar identidade ao time, quem consegue esquecer o início grotesco na Libertadores? Para ajudar nesse meio tempo fomos desclassificados do Paulista vergonhosamente levando 4 gols do Audax.

Aí Bauza foi lá, tirou leite de pedra e nos levou às semi-finais da Libertadores resgatando o espírito aguerrido da equipe e o orgulho da torcida. Mesmo com a eliminação chegar onde chegamos foi um “chupa strogonoff” para a mídia e para alguns torcedores mais descrentes.
Voltamos ao Brasileiro poucos dias após a eliminação e a postura do time no clássico contra o Corinthians foi louvável. Mas foram só os rumores da AFA começar para a equipe desandar.
Dos rumores a confirmação da saída tivemos uma derrota e um empate em casa.

Acho péssima a atitude de Patón enquanto profissional dizer que não saíria, mas na semana seguinte, um dia antes do sorteio das oitavas de final da Copa do Brasil, voltar atrás em sua palavra principalmente quando o time cumpriu com sua palavra em trazer novos reforços.

Um fato o São Paulo está se tornando um celeiro de treinadores em nível de seleção e isso é lisonjeiro. Mas o estrago que isso causa no elenco e a dor de cabeça para arrumar um novo técnico para o time não compensam nada esse prestígio.