Chega a ser quase que impossível ter uma postura ética e centrada depois dos últimos acontecimentos. Parar para acompanhar qualquer coisa do São Paulo tornou-se um mix de ódio, vergonha e desespero. Porque, honestamente, eu não consigo, e nem tenho forças para tentar, explicar o que está acontecendo.

Algumas peças do que somos obrigados a chamar de time simplesmente não se importam com tudo o que está acontecendo e agem como se aquilo não fosse relevante, não fosse válido, não fosse necessário. O problema está ai, está escancarado. Eles cospem em nossa cara e riem do nosso desespero e impotência. Nós cobramos, gritamos e xingamos e ainda somos obrigados a lidar com jogador mimado provocando depois. Vocês recebem milhões ao ano para ganhar jogos e trazer títulos, e não para brigar com a torcida e ficar “putinhos” com cobrança.

Ontem encontrei um amigo e perguntei pra ele como estava a pelada de terça-feira, que um grupo de conhecidos sempre se reúne para jogar. Ele me disse uma coisa que, olhando agora, parece ser o São Paulo. “Vai todo mundo, com o corpo, porque a alma fica em casa. É um monte de picuinha, um com raiva do outro, a mulher do outro que não quer, o apaixonadinho que sempre tem um problema. Os caras entram, chutam a bola pra lá e pra ca, por obrigação, porque a quadra tá reservada pelo ano todo. Como se esse fosse o propósito do encontro. Ai vai espalhando o espírito, fica eu e o fulano tentando fazer algo, tentando manter a amizade viva, mas duas pessoas, no meio de um bando, não fazem barulho”.

Não faz barulho, mas o silêncio ensurdece quem está de fora. Do mesmo jeito que me causa frio na Cqs6VL4WgAARXAYespinha ver o Lugano isolado do grupo, sozinho, cabisbaixo, envergonhado. Ele é o culpado? Ele é o velho? Nós pedimos esse jogador pra trazer raça e estrutura, e agora vocês pedem a aposentadoria dele? Me poupem, se poupem e nos poupem. Tenham discernimento e olhem as avenidas nas nossas laterais, olhem esse meio de campo que não cria nada. Depois a gente fala de Lugano, ele é a única coisa que temos de concreto. O resto é vergonha.

É constrangedor mostrar a cara depois de ver o Maicon falando no pós jogo. Minha vontade era simplesmente reproduzir o seu discurso aqui. Vergonha, exposição, erros, problemas, diretoria, troca de treinador, falta de união. “A torcida fala por si. O que está acontecendo é uma vergonha, as coisas não estão correndo bem”, afirmou o jogador. “Mudou de treinador, é um treinador que tem feito um bom trabalho, apesar de pouco tempo. Mas a gente não está assimilando da melhor maneira possível. A gente está perdendo jogos dentro de casa que não é para perder (…) A diretoria precisa intervir, descobrir onde está o erro, isso passa pelos jogadores e pela comissão técnica também”, continuou ele.

Nosso problema está para todos os lados, para quem quiser ver. Maicon, existe problema, a gente sabe que existe e que você sabe. Joga no ventilador, espalha, se é para acabar com o São Paulo, vamos incinerar todos os males de uma vez. Um áudio já vazou e começou a limpa. Escancare tudo, e acabe com esse limo que está tomando conta do São Paulo. Eu não quero viver outro 2013, e estou vivendo.

Entramos neste campeonato com a busca pelo título inédito. Estamos nesse campeonato buscando o São Paulo que um dia já existiu.

Para terminar, faço das palavras de um amigo as minhas: “tinha gente que dizia que o problema de ambiente do São Paulo era culpa do Rogério. Realmente, bem melhor agora”.