Saudações Tricolores!

Domingo (5) pelo Campeonato Brasileiro ganhamos nossa segunda partida fora de casa da temporada. E embora tendo tantos desfalques em alguns setores Bauza não pode reclamar, o banco de reservas está cheio de boas opções e uma delas é o volante João Schmidt.
João Felipe Schmidt Urbano tem 23 anos e iniciou sua carreira nas categorias de base do São Paulo em Cotia. Em 2010 João foi campeão da Copa São Paulo ao lado de Bruno Uvini, Casemiro e Lucas Moura, mas só foi promovido ao time profissional em 2012.  Na equipe principal teve algumas oportunidades com Muricy em 2013 e 2014. Muricy aconselhava João, mas também o criticava por ainda carregar vícios da base e por jogar tocando a bola por trás. Muricy queria João mais próximo da área.
Créditos: Reuters 
Em meados de 2014 foi emprestado ao Vitória de Setúbal clube de Portugal e ficou por lá até o final da temporada do ano passado. Fez 8 gols durante esse periodo e ainda ajudou o clube a se livrar do rebaixamento.
Em seu retorno ao São Paulo no início do ano quase foi negociado com o Avaí, mas Paton Bauza pediu para que o São Paulo não o negociasse. E isso foi primordial para que João conseguisse se desenvolver e conquistar a confiança de Bauza. 

Já no início do Campeonato Paulista teve atuações seguras e precisas, mas foi na Libertadores que João, na minha opinião, foi um dos jogadores que mais cresceu na temporada. A confiança de Bauza em João o ajudou a se firmar na equipe titular. Se não tivesse se contundido, provavelmente não teria perdido a posição de titular.

Recuperado da lesão João teve a  oportunidade de jogar na equipe titular novamente ao substituir Wesley que se contundiu contra o Figueirense. Na partida contra o Cruzeiro teve novamente uma ótima atuação em campo, dominío da bola, seguro, auxiliando no ataque e voltando para ajuda na  marcação.
Hoje vemos que a diretoria e a comissão técnica estão finalmente olhando e aproveitando melhor a garotada da base. Bauza tem dado mais oportunidade às crias da base promovidos há mais tempo, caso de João, Auro e Mateus Reis, mas também aos recentemente promovidos, caso de Lucas Fernandes.
Vejo um futuro muito promissor para João, pois é perceptível que ele ouviu os conselhos dados a ele, se dedicou e evoluiu muito. Claro que ainda há muitas arestas a serem aparadas e que ele ainda tem um longo caminho para percorrer, mas para quem era tido como não adaptado ao profissional e cresceu tanto, nada que uma boa sequência de jogos e apoio da torcida não resolva.
Agora é esperar que o São Paulo renove o contrato de João e que esse seja mais um sinal de que o clube está mais engajado em reter e desenvolver seus jovens talentos.

Por: Andréia Silva