No sétimo dia do mês do aniversário do São Paulindas temos a honra de receber novamente em nosso espaço a colunista com o maior número de matérias no São Paulindas (154 matérias =O ) e também a autora da matéria mais lida nestes 7 anos com mais de 16 mil leituras. Com vocês, Thais Paradella! 


Uma história de
textos para o SPFC
            Há alguns anos, quando a realidade
do SPFC era outra (e do futebol brasileiro também), recebi um convite para
escrever textos sobre o tricolor. Sempre fui são-paulina, desde que me lembro,
aliás, minha primeira lembrança foi do Brasileirão de 1986 (e que meu pai,
bugrino, não me escute, mas lembro de ter gostado muito daquele time de camisa
branca com faixas listradas). Então assim começava a minha história no SPFC1935
escrevendo como uma São Paulinda. 
            No dia 1o. de Abril, o
São Paulindas comemora 7 anos. É muita história e eu sou parte dela, pois sou a
pessoa que mais escrevi para o site. Foram mais de 100 textos. Todo domingo
escrevia um. As mais variadas críticas, alguns elogios, algumas curiosidades…
Teve de tudo nesse período. Desde de análise de jogos, pré-jogos, relembrando
jogadores que jogaram pelo SPFC e por outros clubes também, acompanhei a
estréia de Fernandinho (lembra dele? Fazendo inúmeros gols em uma única partida
e depois… Bem, depois ele não fez mais absolutamente nada!), acompanhei o SPFC
sendo eliminado de Libertadores, mas também acompanhei a conquista da
SulAmericana. Acompanhei jogadores vitoriosos indo embora (Hernanes, Lucas,
Miranda) e vários jogadores chegando. Acompanhei o início da derrocada
tricolor, com o final do mandato de Juvenal Juvêncio. Escrevi sobre tudo isso.
            Tive um feedback muito bom de toda
essa história. Conheci muita gente por meio da divulgação dos meus textos pelo
twitter. Tive comentaristas de programas esportivos me escrevendo, dizendo que
gostaram do que eu tinha escrito. Tive família de jogador já falecido
agradecendo por ter sido lembrado em colunas minhas… Enfim, algo que não dá pra
medir, pois história não se mede. História se conta e se relembra.
            Nesse tempo, minha vida mudou
bastante. Casei, tive uma filinha (que espero seguir os passos da mãe e ser
são-paulina também) e o SPFC hoje está muito diferente do que era lá tras. Um
modelo de gestão? Já não é faz tempo. Organizado? Por favor, né… Qualquer coisa
é mais organizado que o SPFC hoje em dia.
            Saí do São Paulindas, fiquei alguns
anos escrevendo no site Tricolor On The Rock, também saí e hoje integro a
equipe do IstoÉSPFC, também com algumas meninas que começaram comigo aqui.
           

O que o SPFC representa na minha
vida é algo que é difícil colocar em palavras. Como se descreve um amor há
tanto tempo, que tanto te corresponde, mas ao mesmo tempo tanto de maltrata?
Muito me dói ver a situação que o clube se encontra. Quando se ama um clube, um
time, não é só o fato de querer termos títulos. Isso também faz parte, mas não
é só isso. O que queremos ver em campo é um pouco mais de alma. Isso há muito
tempo não se vê no SPFC. Acredito que é uma mistura de razões, na verdade,
escolhas erradas, métodos de correção errados, enfim… Uma série de eventos que
resultaram no que temos hoje: um time sem padrão, que mal parece que treina,
sem ânimo, sem vontade e só. Desanima qualquer um ver o time jogar. Parece um
‘catado’ de jogadores, pouco habilidosos, sem treinamento algum, com
insistência em alguns conceitos errados, que se junta pra colocar a camisa do
SPFC. E nem entende o valor e o peso dessa camisa. Parece que o time quer mais
é ir pra casa. Aquele jogo não importa muito. Nenhum importa. E assim a gente
vai vendo o SPFC em campo. Triste, mas verdadeiro. Aquele SPFC de antigamente
não é mais o que se vê em campo hoje. E mesmo que algumas vitórias venham, elas
são magras, não é resultado de uma grande apresentação. Não conheço um único
são-paulino que ‘confie plenamente’ no time. Hoje a gente mais fica com receio
do que com confiança. E mesmo se classificar na Libertadores ou ganhar um ou
outro clássico, você confia plenamente nesse elenco? Acha que eles serão
capazes de levar o time para algum título (ou perto disso) nesse ano?

            Do mesmo jeito que a minha vida
caminhou e muita coisa mudou, eu assim também espero que no SPFC mude. Pra
melhor, obviamente. Porque se ficar parado em terreno mole, o chão costuma
afundar. E no caso do SPFC, ultimamente, a gente só vê o time afundando,
afundando cada vez mais.
            E que outras meninas possam escrever
sobre o SPFC, contando histórias mais leves e somente se lembrando desse
período da história tricolor como um período desorganizado, no qual as coisas
não deram muito certo, mas que foi necessário pra grandes histórias, mais pra
frente.
            Às SPL, cabe sempre lembrar que
mulher entende (e muito!) de futebol. E foi aqui que eu comecei, aqui deram
minha primeira oportunidade de escrever o que eu pensava sobre o tricolor.
Então, só tenho agradecimentos e boas lembranças. E que se comemore muito,
afinal 7 anos não é uma marca pequena não. É uma grande marca e ser muito
comemorada. E que venham mais 7x7x7 anos de mulheres são-paulinas e
são-paulindas escrevendo sobre futebol.
Thaís Cachuté Paradella.