Hoje quem aparece no São Paulindas é a Camis Carvalho que participou do SPFC1935 desde da época de Orkut onde após um período recebeu o convite de integrar ao time do São Paulindas. No SPL ela além de ser colunista também chegou ser coordenadora e assim tendo uma grande parcela do sucesso que o São Paulindas é hoje. Acompanhe: 
São Paulindas: há sete anos desconstruindo preconceitos

Por Camis Carvalho
@camisspfc
Há muitos
anos, graças ao finado Orkut, conheci um blog chamado “SPFC1935” e
adorei. Torcedores comentando sobre o São Paulo, da visão das arquibancadas, e
de uma forma muito genuína. Virei fã e passei a acompanhar sempre, inclusive
participando de um concurso para novos colunistas. Na época, o domínio do site
ainda era “blogspot.com.br” e ainda era modesto, pouco conhecido.
O tempo foi
passando, o blog crescendo, ganhando novos seguidores, e melhorando cada dia
mais. Então, há exatos sete anos, criaram o “São Paulindas”, um
espaço exclusivo para as mulheres escreverem suas opiniões, críticas, análises
e pensamentos acerca do futebol e do São Paulo.
Pioneiro, o
São Paulindas chegou para mostrar que aquela velha história de que
“futebol é esporte de macho” não passa de uma grande besteira, e que
a mulherada também acompanha, entende e ama futebol, tanto quanto os homens – e
até mais que alguns. Tive a honra de ser convidada a integrar a equipe, da qual
fui colunista por um tempo, e tenho muito orgulho e alegria por ter feito parte
dessa história maravilhosa do São Paulindas, cuja tendência é só crescer cada
vez mais, tenho certeza!
A
existência de um espaço feito especialmente para mulheres discorrerem sobre
futebol é um reflexo da evolução da sociedade. Há algumas décadas seria
inconcebível pensar em mulheres torcendo e comentando um esporte considerado
tão masculino, não era o “nosso lugar”. Mulher e futebol juntos só se fosse
seminua, servindo de “musa” ou modelo para homem admirar, nunca comentando ou
torcendo, isso era inaceitável.
Infelizmente,
mesmo com tanta evolução nesse sentido, ainda temos muuuuuuito preconceito no
meio. Constantemente vemos veículos esportivos retratando mulheres nos estádios
apenas como “musas”, nunca como torcedoras comuns, apenas explorando sua imagem
e atributos físicos, ignorando o fato de ser uma torcedora como outro qualquer
ali no estádio, acompanhando e vibrando pelo seu time.
Que mulher
torcedora, seja do time que for, nunca ouviu um “mulher não entende de futebol,
entende de cozinha” ou provocou olhares admirados e ouviu “nossa, você gosta
mesmo de futebol hein?” seguido de “então me explica o que é impedimento”, por
exemplo?
E não são
só alguns homens, programas e veículos esportivos que não dão espaço para as
mulheres no futebol não. Infelizmente, até mesmo a loja oficial do São Paulo
nos trata com diferença. Recentemente nós torcedoras tivemos que praticamente
“implorar” para disponibilizarem a camisa feminina do Lugano para venda, pois
só havia o modelo masculino. E então, depois de muitos pedidos, chegou a camisa
feminina, apenas no modelo I, e por cem reais a mais do que a masculina! É
triste percebermos que até mesmo as lojas oficiais ainda não entenderam que o
público feminino é grande e também compra camisa, e não há motivo para que
paguemos a mais ou não possamos escolher entre vários modelos. Enquanto existem
centenas de modelos de camisas, camisetas, regatas, agasalhos, bonés e etc.
para o público masculino, os produtos voltados para o público feminino ainda
podem ser contados nos dedos de uma mão. Em lojas físicas, então, é
praticamente impossível encontrar algum artigo feminino.
O São
Paulindas veio para mudar esse rótulo e mostrar que nós, torcedoras mulheres,
temos direito SIM de estar no estádio, de torcer, de xingar, de vibrar,
comentar, criticar, se emocionar, comprar produtos oficiais, vestir o manto e falar
sobre futebol de igual para igual, seja na mesa do bar, seja em programas
esportivos, seja em casa ou onde quisermos.
E eu, como
ex-colunista, torcedora e fã incondicional do São Paulindas, deixo aqui
registrado meus parabéns pelos 7 anos de existência, sempre na torcida para que
cresça mais e mais, e que continue trazendo ao público colunas tão bem escritas
por torcedoras que mostram que mulher entende SIM de futebol, e que tem MUITO
homem que não alimenta nem concorda com esse preconceito absurdo.
Continuem
acompanhando, comentando, compartilhando e prestigiando o São Paulinas, nos
ajudando a desconstruir esse estereótipo e mostrar que lugar de mulher é no
estádio, no programa esportivo, na mesa redonda do churrasco, ou onde ela
quiser!