Bola pra frente e foco no Pan!
Ontem, 21, foi um dia amargo para as atletas da seleção brasileira feminina e para os que as acompanham e torcem por elas. A Austrália derrotou o Brasil por 1 a 0 nas oitavas da final da Copa do Mundo de Futebol Feminino, com um gol aos 34 minutos do segundo tempo. Apesar de perderem algumas chances de gol, as meninas não fizeram um de seus melhores jogos, e, por conta de uma certa tensão emocional claramente perceptível e da displicência do técnico da seleção, Vadão, que tirou a maioria das atletas de suas posições de origem, foram desclassificadas da competição.
Mais de 24 horas se passaram desde a eliminação e agora é momento de corrigir os erros, reforçar os acertos, levantar a cabeça e focar em atividades e torneios futuros. O mais próximo deles é o Pan-Americano, que, assim como a Copa do Mundo, também acontecerá no Canadá este ano. Embora a presença do futebol nos Jogos Olímpicos tenha sido marcada em 1900, só depois de 96 anos, em Atlanta, a modalidade feminina foi estreada no evento internacional. A seleção brasileira feminina possui, até agora, 5 medalhas olímpicas, sendo 1 de Jogos Mundiais Militares, 2 de Universíadas e 2 de Jogos Pan-Americanos. 
O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) divulgou a lista de atletas que foram convocadas para representar o Brasil no futebol e Érika, que esteve fora do mundial, foi a grande novidade. No entanto, por não ser uma data Fifa, Marta voltará ao seu clube na Suécia e é a principal baixa na equipe brasileira. Abaixo, os nomes e as respectivas posições das jogadoras:
Goleiras: Luciana e Bárbara
Zagueiras: Mônica, Rafaelle Leoni e Érika
Laterais: Fabi, Tamires e Poliana
Meias: Andressinha, Formiga, Thaísa, Gabriela Zanotti, Maurine, Andressa Alves, Raquel
Atacantes: Cristiane, Darlene e Rafaela Travalão
O Brasil está no grupo B e fará seu primeiro jogo contra a Costa Rica, no dia 11 de julho. Na sequência, a seleção brasileira enfrenta o Equador, no dia 15, e o Canadá, no dia 19. 
A melhor camisa 10 de todos os tempos fará muita falta nesses jogos, porém, tenho plena certeza de que as mulher continuarão nos representando muito mais do que os homens em competições externas. Podem quase não ter apoio da confederação nacional, das grandes mídias e dos patrocinadores, mas têm a nossa torcida e a nossa mais sincera admiração. Espero que a seleção feminina vá longe no Pan-Americano e possa conquistar a terceira medalha dos jogos, e que esses dias que antecedem o jogo de estreia sejam de treino intenso e esperança, porque a despedida do Mundial não é o fim de tudo: ainda temos mais uma batalha pela frente para enfrentar junto com elas!

Fontes consultadas: Planeta Futebol Feminino e UOL Esporte
Créditos fotográficos: Elsa/Getty Images
Siga no Twitter: @nathaliaperez e @SPFC1935