Ao longo dos anos, o Manto Tricolor sofreu diversas modificações em sua estrutura para melhor atender o conforto dos jogadores e torcedores. Mas o que poucos sabem é que para chegar a uma definição final, houveram muitas etapas entre escolha das cores, escudo e até mesmo o tipo de tecido que melhor aderem a prática futebolística.
O escudo e os uniformes do São Paulo FC foram desenhados pelo alemão, Walter Ostrich, que era simpatizante pelo clube logo na sua fundação, em 1930.

As cores foram definidas baseadas nos uniformes dos times Clube Atlético Paulistano (Vermelho) e da Associação Atlética das Palmeiras (preto), sendo o branco de ambas.


Os uniformes do clube mantêm a mesma estrutura desde a sua fundação, que naquela época, variou um pouco quando se diz a estrutura das faixas centrais da camisa e as listras do primeiro e segundo uniforme.

Nessa mesma época, o Tricolor chegou a usar vestimentas que fugiam das cores tradicionais do clube, como no jogo entre São Paulo x Estados Unidos, em 10 de agosto de 1930.


Até meados de 1970, os uniformes eram confeccionados em algodão puro, só após o ano de 1986 que foi incorporado o tecido de Poliéster com o algodão, fazendo com que as camisas ficassem mais leves e confortáveis para se jogar. 

 

Somente no ano de 2000 é que os uniformes começaram a serem confeccionados com 100% de poliéster, com alta capacidade de evaporação e que retém o suor do atleta.

Além dos uniformes convencionais de jogos oficiais, as empresas que criam a linha de produtos do Tricolor, passaram a focar também nas camisas comemorativas, como forma de resgatar os uniformes utilizados em época gloriosas do clube. Vamos conhecer alguma dessas camisas?


 

Réplica de 1957.
O mato resgata um passado de conquistas e a trajetória de glórias do clube.

“Camisa Oficial da Torcida Tricolor” – Lançada em 2009
A inspiração veio seguindo os padrões da camisa utilizada durante o Paulista de 1966.

Listrada – Lançada em 2010.
Modelo retrô baseado no uniforme usado pela equipe Tricolor em 1944. 

“Torcedor Black” – Lançada em 2008.
A intenção da Reebok era de lançar uma camisa para homenagear o torcedor são paulino, sem  utilizá-la em jogos oficiais, mas Rogério Ceni acabou em campo vestindo o manto.



Vermelho, a cor da Raça – Lançada em 2013
Foi inspirada por conta dos novos assentos do Morumbi (vermelho), onde o tom une e simboliza a raça e a paixão dos são-paulinos pelo clube.

Linha Raízes
Em tecido totalmente poliéster, a Linha Raízes resgata a gloriosa fase de Leonidas da Silva no Tricolor. O manto foi criado especialmente para comemorar o centenário do eterno Diamante Tricolor.

Fora essas vestimentas comemorativas, foram criadas ao longo dos anos, outro modelos que representavam algo histórico e marcante na trajetória do São Paulo, como a camisa do centésimo gol do goleiro Rogério Ceni, a linha “Deuses da Raça” que homenageia os jogadores uruguaianos que passaram pelo Tricolor, entre outras infinidades de mato criados especialmente para o torcedor são-paulino.

Por: Mariana Telhada
Twitter: @telhadinha  – instagram: @maritelhadinha
Créditos: SãoPaulo FC.net e wikipédia