Rogério Ceni chegou ao São Paulo em 1990 e durante esse tempo de tricolor, viu muitos goleiros esquentarem o banco de reservas, tendo pequenas chances de titularidade com ausência do capitão.
Após 24 anos, cada um desses goleiros teve finais diferentes e curiosos, desde prefeito até fabricante de cosméticos. Você se lembra de todos eles?
Veja que fim levou cada suplente do mito:

Paulo Sérgio
Paulo Sérgio de Rezende foi o primeiro reserva de Rogério, entre 1994 e 1999, hoje é prefeito de Hidrolândia, cidade próxima a Goiânia, com 40 anos.

Roger
Roger José de Noronha Silva, foi o maior reserva de Ceni, ficando no banco de 1997 à 2005, a qual foi emprestado para Vitória e Portuguesa nesse período. No mesmo ano em que parou por causa de uma lesão crônica no ombro em 1999, Roger entrou pra politica e se elegeu vereador de sua cidade natal, Cantagalo-RJ.

Alencar
Francisco de Paulo Alencar Filho, foi o reserva que tem uma triste memória para os torcedores, pois é lembrado por ser o goleiro que falhou diversas veses. Atualmente, tem uma escolinha de goleiros na cidade de Londrina, no Paraná, onde nasceu.

Flávio Kretzer
Flávio Roberto Kretzer chegou como grande promessa do Avaí em 2004 ficando até 2006, fazendo parte do elenco campeão da Libertadorees e do Mundial de Clubes, em 2005.
Encerrou a carreira após o Campeonato Mineiro deste ano, pelo Tombense. Perdeu a chance, portanto, de se sagrar campeão brasileiro da Série D no fim da temporada.

Mateus
Mateus Versolato Júnior foi revelado nas categorias de base do São Paulo, sendo espertado por várias equipes entre 2003 e 2009, fez apenas uma partida pela equipe profissional.
Seu último clube foi o Rio Claro, pelo qual disputou o Campeonato Paulista da Série A-2, em 2011.

Bosco


João Bosco de Freitas Chaves, outro atleta conhecido por ficar muitos anos na reserva de Rogério Ceni,  conquistou três Brasileiros e o Mundial de 2005 esquentando o banco do mito. Atualmente, mora em Orlando, nos Estados Unidos, onde é sócio de uma fábrica de cosméticos com sua mulher. Também possui uma clínica de estética em São Paulo. Recentemente, processou o time do Morumbi na
Justiça do Trabalho, pedindo R$ 4 milhões. Saiu parcialmente derrotado, e recebeu cerca de R$ 400 mil.

Fabiano
Fabiano Ribeiro de Freitas, foi contratado em 2007 pelo São Paulo, fez só um jogo pela equipe tricolor. Atualmente, porém, faz parte do primeiro escalão de atletas dos “Dragões”.

Por: Bianca Lamattina
@spfc1935 @bialamattina