Nessa fase não poderia deixar de homenagear aquele que é meu grande ídolo. A partir de hoje, vocês poderão acompanhar em minhas postagens um ESPECIAL ROGÉRIO CENI. Nessa primeira coluna do especial, volto no tempo e em poucas palavras vou resumir um ano incrível: 1973.

1973 –  no Brasil, um governo liderado por Médice, o auge do regime militar. No esporte Emerson Fittipaldi acelerava no autódromo de Interlagos.
Na música, um dos álbuns mais conhecidos mundialmente estava sendo lançado, “Dark Side of the Moon”, do Pink Floyd, onde obteve recordes históricos de venda.

Arquivo Pessoal 

E no interior do Paraná, mais precisamente em Pato Branco, nascia um menino pequeno, mas com um destino incrivelmente gigante para a história do futebol.

Naquele ano de 1973, nosso rival Palmeiras se consagrava campeão Brasileiro, só que não sabiam os alviverdes, que esse garotinho do interior do Paraná, se tornaria uma ameaça.

Um garotinho simpático, garoto como qualquer outro garoto, mas com um destino muito bem traçado. Destino traçado no esporte, no colégio já praticava vôlei e futebol, jogava na linha.

Levou a diante essa paixão pelo futebol, se dedicou e seus primeiros passos como profissional foram no Sinop Esporte Clube, clube do Mato Grosso, onde ali foi revelado e ficou por pouco tempo. E o ponta pé inicial estava sendo dado em seu destino.

Aquivo Pessoal
A vida nos reserva muitas coisas, mas certamente, naquele ano de 1973, algo estava sendo reservado para uma nação inteira em vermelho, branco e preto. Naquele 22 de janeiro nascia um  M1TO!
Por: Carolina Sbrici
@carolisbrici