Todo grande time tem uma história de sucesso, e para cada história de sucesso, existe um Herói por trás de muita coisa. Hoje, tomei a liberdade de listar meus “5 Heróis dos Gramados”.
Meus, e tenho certeza que da grande maioria dos torcedores São Paulinos!
Começar pelo começo, naquele tempo que se começou a fazer história, é impossível deixar de fora Leônidas da Silva, que teve sua chegada triunfal à cidade de São Paulo no ano de 1942 onde foi recepcionado por DEZ MIL pessoas na estação da Luz e foi praticamente carregado até a sede do time.

Leônidas foi apelidado de “Bonde de 200 contos” em referência à transação milionária efetuada pelo São Paulo na compra do jogador do Flamengo, que na época pagou o montante de 200 contos de réis pelo passe do mesmo. Na época isso era uma verdadeira FORTUNA!

Avançando alguns anos, cito Canhoteiro, jogador que tenho uma relação de amor e ódio. Canhoteiro era bom, profissional, chegou a ser comparado diversas vezes com Garrincha em razão da sua habilidade em campo. Foi um dos primeiros jogadores de futebol a ter um fã clube, algo extremamente incomum para a década de 50. Mas Canhoteiro era problemático, gostava da vida noturna. Foi convocado para a Copa de 1958 e teria feito história ao lado de Garrincha e Pelé, mas a boemia o levou a se atrasar diversas vezes, a ponto de ser cortado da equipe.
 Foi na década de 70 que o São Paulo deu um pontapé e contratou Pedro Rocha, ilustre jogador  uruguaio. Tri campeão da Libertadores e bicampeão mundial com o Peñarol. Defendeu a camisa 10 por 7 anos, conquistou 2 Paulistas e foi considerado por Pelé um dos 5 melhores jogadores do mundo na década de 60.
Serginho é outro caso de amor e ódio. O maior artilheiro da história do São Paulo, com seu posicionamento e oportunismo deram a ele o título de um dos maiores ídolos do São Paulo FC. Mas Serginho tinha um lado extremamente violento, chegou a chutar um bandeirinha em 1978 e no final do Campeonato Brasileiro de 1981 Serginho chutou violentamente a cabeça de Leão, que na época era goleiro do Grêmio. A agressão quase rendeu cadeia para Serginho e eu fico dividida em chamar de herói alguém que praticava violência.

Pra finalizar, vamos falar de coisa boa… Vamos falar de Raí!

Raí é meu maior ídolo na história do São Paulo, o primeiro jogador que eu conheci e aprendi com o passar do anos a admirar e respeitar como pessoa. <3

Todos conhecem a história dele, a trajetória dele no Time e eu não vou ficar falando mais do mesmo.

Raí após se aposentar, se juntou ao amigo Leonardo e hoje cuidam da Fundação Gol de Letra, que auxilia na educação de crianças carentes! Um exemplo gracioso de pessoa competente no que foi designado a fazer, Raí foi dentro de campo e hoje é no seu dia a dia atarefado na Vida de  São Paulo, um exemplo de craque. Pra mim, um craque imortal.

Muita gente pode me perguntar, mas e o Rogério Ceni? Ceni é um caso de amor e pra ele eu ainda dedicarei um post inteiro por ele, pra ele .

E vocês? Quais seriam seus ídolos? Quem você gostaria de ter visto citado por aqui?

Por: Núbia Veturiano