Os clubes têm goleiros, nós temos Rogério Ceni. Clichê!? Não!

Em 24 anos de história com o São Paulo Futebol Clube, o goleiro tem sua imagem diretamente associada ao time paulista. Quantos atletas têm a honra de dizer que defenderam um time por tanto tempo, em tantas partidas?
Rogério é desafiador de lógicas, participante de um seleto grupo de profissionais, possui um forte elo de identificação entre a torcida e o time do São Paulo. Mais que isso, um líder crescido e desenvolvido entre nós. Desde sempre é percebida a diferença entre ele e os demais goleiros, afinal, artilheiro, e….quem mais o será? Qual time mais terá?

Tantos passaram pelo clube e ele, resistindo às voltas que o mundo dá permaneceu ao nosso lado e nos mostrou ao longo do tempo o significado de acreditar, torcer, defender e participar, sempre lutando, aperfeiçoando, com a mesma emoção em cada partida.
 Sabe-se que um jogador completo é difícil de encontrar, Rogério possui uma identidade forte, inigualável aos demais, um perfil construído ao longo de uma trajetória brilhante de lutas. Se o futebol perde com sua ausência, a biografia do SPFC ganha inenrravelmente.

Estamos prontos para que Rogério deixe os campos na função de goleiro e passe a habitar a história, na personificação de um mito?

Agora, cientes de que que cada encontro com o M1TO é também despedida, cada partida é mais emocionante, assistir é presenciar um espetáculo que pode estar chegando ao fim.

Não nos cansamos de gritar ao “Goleiro Matador”. Não nos cansaremos de lembrar de suas atuações que se confundem com a trajetória de nosso clube. Rogério e São Paulo, uma história hoje tão interligada. Dois nomes e a saudade que está nos rondando.

No último sábado (18), mais um gol! Já vamos pensando e nos preparando. Não só nós sabemos, mas é nítida a falta que Rogério fará defendendo o Tricolor do Morumbi, os corações ficam apertados e isso transparece até no canto da torcida.

Bom mesmo é sabermos que enquanto dura sua presença, esta se faz por inteiro, o que nos deixa imensamente felizes com espetáculos únicos e especiais. Os últimos?
Talvez. Mas os únicos, dele, para nós!
Por: Tamyres Silva