Pelo segundo ano consecutivo a Caixa Econômica Federal investe no futebol feminino e patrocina o campeonato brasileiro da modalidade que conta com a participação de 20 clubes de 10 estados. O lançamento do torneio aconteceu na manhã desta segunda-feira (08/09), em São Paulo, e contou com a presença do ministro do esporte, Aldo Rebelo, do técnico da seleção feminina do Brasil, Vadão, a ex-jogadora e coordenadora da modalidade na CBF, Michael Jackson, o secretário de futebol, Toninho Nascimento, a ministra, Eleonora Meniccuci, o representante da Caixa, Gilson Braga e Virgílio Costa Neto, diretor de competições da CBF, além de jogadoras da Portuguesa e do Centro Olímpico.

Coletiva de imprensa para o lançamento do campeonato, em SP 

O evento começou com Virgílio, da CBF, citando a importante participação dos chamados “times de camisa” disputando o campeonato. São eles: Vasco da Gama, Botafogo, Bahia, Náutico, Avaí, Portuguesa, Chapecoense e Sport. O técnico Vadão destacou a grande iniciativa da Caixa e do Ministério do Esporte em apoiar a modalidade, mas também fez um apelo: “É preciso que se pratique mais o futebol feminino no país. É preciso que as cidades apoiem a prática a do futebol para as mulheres em suas escolas, universidades e clubes. Nos EUA, por exemplo, as meninas ingressam no futebol a partir dos seis anos. Só difundindo o esporte é que poderemos aumentar nosso número de atletas e de clubes com a modalidade”, disse o treinador.

A ex-jogadora de futebol, Michael Jackson, afirmou que a realização do campeonato é apenas o primeiro passo para a evolução da modalidade no país. “Queremos fazer um calendário para desenvolver o futebol feminino brasileiro. Também queremos organizar um campeonato de base e parar de encarar o futebol feminino como amador, porque ele não é”, afirmou.

A ministra da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, Eleonora Meniccuci, destacou a luta contra a discriminação de gêneros e declarou que o campeonato brasileiro dá a força necessária para a retomada do futebol feminino, além de garantir uma porta aberta para a autonomia econômica da mulher pelo esporte.

O ministro Aldo Rebelo reforçou o apoio que o governo vem oferecendo à modalidade. “Temos um técnico consagrado cuidando da seleção e que, com toda razão, pede que se jogue mais futebol feminino no Brasil. É assim que vamos desenvolver o talento das nossas jogadoras. Com investimentos nas equipes de base, competições organizadas e preparação para o profissionalismo”, disse o ministro, garantindo que o governo seguirá com apoiando.

Toninho Nascimento, secretário de futebol, destacou que para os próximos anos, a ideia é que todo clube que receba patrocínio da Caixa Econômica Federal, tenha que investir uma porcentagem do valor total no futebol feminino. “Essa é nossa forma de estimular e incentivar a prática entre as mulheres”, afirmou.

Para o campeonato que começa agora, a Caixa investiu cerca de R$ 10 milhões, valor que engloba gastos com transporte das atletas, hospedagens, arbitragem, ambulâncias, entre outros. Além desse dinheiro, a expectativa é de 15% do dinheiro deixado pela Fifa como legado da Copa seja revertido ao futebol feminino. Porém, apenas no próximo ano.

Vale lembrar que, atualmente, a Caixa patrocina clubes como o Corinthians (R$ 30 milhões), Flamengo (R$ 25 milhões), Coritiba (R$ 6 milhões), Atlético PR (R$ 6 milhões), Vitória (R$ 6 milhões), Figueirense (R$ 4,5 milhões) e Chapecoense (R$ 4 milhões)*.

O São Paulo, que já colecionou títulos e passagens de jogadoras de alto nível pelo futebol feminino do clube, não acena positivamente para um novo investimento na modalidade. Em entrevistas recentes, feita com os candidatos Kalil e Aidar, na época das eleições, nenhum deles confirmou uma implantação de futebol feminino para o Tricolor. As alegações eram a falta de times e torneios para a disputa.

Vale título! 

Erika, jogadora do Centro Olímpico


Ao todo, são 20 clubes participando do campeonato. São Paulo conta com quatro equipes (Centro Olímpico, Ferroviária, Portuguesa e São José) e é o estado com maior número de participantes, seguido por Santa Catarina, Rio e Pernambuco, com três representantes cada um. Times da Bahia, Paraná, Pará, Amazonas, Maranhão e Ceará também participam.

Serão formados quatro grupos com cinco participantes cada. Na primeira fase, classificam-se as duas primeiras equipes de cada grupo. Na segunda fase, a disputa será entre os primeiros colocados e os segundos, que jogam entre si: primeiro de um grupo contra segundo do outro jogos de ida e volta), até ficarem os dois finalistas. As semi-finais e as finais serão no modo “mata-mata”.

Em 2013, a equipe campeã foi a do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, de São Paulo. Em segundo lugar ficou o São José Esporte Clube, também de São Paulo. Os dois são fortes candidatos ao título deste ano, além da Ferroviária e Portuguesa.

O Campeonato Brasileiro Feminino Caixa terá exibição da Fox Sports (canal a cabo).

Confira a tabela completa de jogos, aqui:

*Números divulgados pelo portal Bastidores FC (globo.com) no dia 03/09.



Créditos fotográficos: SPFC1935/Divulgação

Sigam no twitter: @robertanina e @spfc1935