Saudações Tricolores!
Ontem, na estreia da Copa do Mundo
2014 aqui no Brasil, tivemos um momento importantíssimo que poucos deram
atenção, principalmente a FIFA.  Juliano
Pinto, de 29 anos, Paraplégico, deu o “ponta pé inicial” da partida, com a
utilização de um exoesqueleto, desenvolvido por uma equipe liderada pelo
cientista Miguel Nicolelis. E em apenas em alguns segundos (que foi liberado
pela FIFA) o jovem deu um passo com a perna direita e movimentou a bola, dando
o “chute simbólico” na partida. Uma evolução na tecnologia e um momento de
grande superação.

Foto: Reginaldo Castro/Estadão Conteúdo
E por falar em superação e força de vontade, uma notícia vem
chamando a atenção de muitos apaixonados pelo futebol. Nessa história o
protagonista é Jeferson Lima, de 21 anos, um jovem Pernambucano e são paulino roxo, que após um
acidente surpreendeu muita gente.
jconline.ne10.uol.com.br
O jovem ao atravessar a estrada para jogar bola foi
atropelado por um caminhão e perdeu uma das pernas. O que podia ser o fim de
uma paixão, foi só o recomeço. Jeferson superando todas as dificuldades e
colocando

a paixão pelo futebol na frente, hoje joga futebol com uma perna só.
E não é só em uma posição, além do gol, na linha ele mostra que sabe chutar
bem.

A história de Jeferson rodou o mundo e chegou até Mariana
Aidar, assessora e filha do presidente do São Paulo FC, Carlos Miguel Aidar,
que se comoveu e até presenteou o menino com uma caixa com produtos do clube.
O momento mais emocionante foi quando o jovem retirou a
camisa de jogo autografada de dentro da caixa e viu que Rogério Ceni tinha
deixado sua marca. “Eu não acredito! Rogério Ceni autografou essa camisa pra
mim e colocou o meu nome? Ele sabe que eu existo!”, disse.
Veja o vídeo de Jeferson:

Um semana de muito futebol e superação. Histórias
diferentes, que emocionam e devem ser vistas com mais atenção. Em um mundo onde
o dinheiro, preconceito e corrupção infelizmente tomam conta de uma paixão nacional e evoluções
tecnológicas e força de vontade são colocadas em segundo plano. 

Agradecimentos: Jornal do Commercio


Por Carolina Sbrici