Quem tem data marcada para pendurar as chuteiras é o atleta Rogério Ceni. Mas a Lenda Ceni, está jamais se aposentará.

O futebol brasileiro se profissionalizou há um pouco mais de 100 anos. De lá pra cá houveram mudanças dentro das quatro linhas… de salário de jogadores à uso de tecnologias.

Mas Rogério Ceni mudou o significado da palavra goleiro. Antes de seus triunfos, goleiro era apenas o cara com a missão ingrata de evitar o grande momento do atacante.

O capitão tricolor fez de sua habilidade com os pés uma marca forte na saída de bola do São Paulo. Além da grande confiança que a defesa deposita nas bolas recuadas para o arqueiro, contamos também com lançamentos primorosos e gols feito pelo goleiro.

Não existe uma estatística sobre esta mudança, mas é visível o aumento no número de goleiros capitães.

Porém, seu grande feito tem sido o fato de que todos os seus recordes pessoais jamais estarem à frente dos objetivos do São Paulo.

Titular desde 1997, sua maior característica é a lealdade ao São Paulo. É atualmente o jogador que mais vestiu a camisa de um clube na história do futebol brasileiro, superando Pelé que vestiu a camisa do Santos em 1116 jogos. Embora seja tratado como um recorde do futebol brasileiro, o feito se estende ao patamar mundial, porque o jogador que mais jogou por um time europeu foi o norte-irlandês Noel Bailie, com 1013 jogos com a camisa do modesto Linfield. Já entre os grandes clubes da Europa, o recordista é Ryan Giggs, que disputou 963 partidas pelo Manchester United.

A história do Rogério está intimamente ligada ao São Paulo das duas últimas décadas, tanto é que o gosto musical do Capitão dita a trilha sonora da entrada do time em campo nos jogos no Morumbi. Desde 2010 a preferida de Rogério, “Hells Bells”, da banda AC/DC, dá o tom quando o esquadrão tricolor surge no túnel saindo do vestiário.

A discussão sobre a substituição do posto assim que Rogério se aposentar, se Denis estaria preparado, se seria necessário a contratação de outro goleiro tem prazo para terminar. Afinal, para 2015 não contaremos com nosso capitão.

Penso que, nem eu ou meus filhos, veremos uma nova lenda no Tricolor. Um mito não se substitui.

O legado de Rogério Ceni não resume apenas às quatro linhas. Ele transcende! Sua marca está no amor à camisa Tricolor, ao comportamento dentro e fora do campo. Há quem pense em Ceni como técnico, dirigente e Presidente do São Paulo. Mas o que ninguém jamais esquecerá será o M1to Tricolor: o homem que dedicou sua vida a um clube, que fez de seu time, a sua Seleção.

Alguns de seus números:

Total de gols marcados: 117
Gols de falta: 58
Gols de pênalti: 58
Gols de bola rolando: 1
Assistências: 7

Fonte: wikipedia
          www.saopaulofc.net

Siga-nos
@spfc1935
@rob_santana