Desde seu surgimento no Brasil e no mundo, o futebol feminino sofre dificuldades, a modalidade foi regulamentada pelo Conselho de esportes da época somente entre 1981 e 1982, antes disso era considerada ilegal.

“Decreto-lei 3.199, que em abril de 1941 instituiu o Conselho Nacional de Desportos (CND), afirmava em seu artigo 54 que “às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do pais”
   O primeiro time brasileiro a ser formado em meados de 1958 foi o Araguari Atlético Clube de Minas Gerais, até seu surgimento, as partidas de futebol feminina era realizada apenas em circos ou jogos de futebol.
   Porém o nosso querido São Paulo Futebol Clube é considerado o pioneiro no futebol feminino ao organizar uma equipe nos anos 80, rompendo preconceito e paradigmas.
   O tricolor conquistou seu primeiro Campeonato Paulista Feminino em 1997, enfrentando na competição grandes times como Palmeiras, Portuguesa, Santos e Corinthians. O sucesso fez com que o São Paulo criasse o CCT Homero Bellintani conhecido como CT de Guarapiranga, abrigando la seu o time feminino, que se encerrou em 2001 por falta de patrocínio.
Experiência de jogar no São Paulo Futebol Clube

Daniela de Oliveira, jogou como meia esquerda no São Paulo Futebol Clube em 2001, e ela nos conta sua história no futebol feminino e a estrutura do tricolor.
Quando você começou a jogar futebol?
Comecei a jogar bola quando eu tinha 11 anos, em um time chamado Brasão de Vila Matilde, eu era reserva, ou seja, muito ruim, nem bater de cabeça eu conseguia, de tanto medo.
Você sofreu preconceitos? Quais foram as dificuldades?
Preconceito a gente sofre, porque infelizmente o futebol feminino não é reconhecido aqui no Brasil, não tem incentivo. Dificuldades não passei nenhuma.
Quando e como você começou a jogar futebol pelo São Paulo?
Entrei no São Paulo em 2001, foi uma seletiva que fizemos no Estádio do Pacaembu, foram muitas meninas e o time em que íamos jogar era por sorteio e acabei vindo para o São Paulo.
Até quando jogou no tricolor?
Joguei no São Paulo por 3 meses, pois o contrato era esse, a seletiva foi em setembro de 2001 e joguei até dezembro.
Como eram feitos os treinos?
Os treinos eram todos os dias no período da tarde, 4 horas por dia, e de final de semana tinha jogo pelo Campeonato Paulista. Tinha dias que era treino táticos e coletivos e outros eram treinos físicos sem bola.
E a estrutura do São Paulo?
Sem palavras, é um clube avançado, tem tudo o que você precisa, departamento médico de primeira qualidade, fisioterapia, sala de musculação fantástica, comissão técnica sincronizada, centros de treinamento de primeiro mundo, um excelente clube, não tem o que reclamar, até o restaurante de la é bom.
O que você acha do futebol feminino no Brasil?
Acho que deveriam valorizar o futebol feminino aqui, pois existem várias meninas boas de bola, que as vezes dependem do esporte para sobreviver, e não tem incentivo, e muitas meninas procuram o exterior para ganhar dinheiro jogando bola. Falta incentivo, mas infelizmente ainda tem muito preconceito e isso que não deixa o futebol ir pra frente.
Segundo a FIFA, atualmente existem 29 milhões de meninas e mulheres que jogam futebol no mundo todo. Porém a falta de patrocínio e o preconceito faz com que os times não invistam em times de futebol feminino.
Está na hora de mudanças, afinal, quem disse que futebol não é coisa de mulher?
Saudações tricolores.

Créditos das fotos: Daniele de Oliveira

Por: Bianca Lamattina
@bialamattina @spfc1935