Durante os últimos meses muito se falou sobre Rogério Ceni e
sua possível aposentadoria na próxima temporada. Sabendo que, infelizmente,
uma das competições mais emblemáticas da carreira do mito e do clube não estará
no calendário tricolor no ano que vem, podemos dizer que Rogério se despede da
Libertadores, já que é muito improvável que o goleiro queira jogar mais um ano para que possa tentar conquistar mais uma vez a América antes de se
aposentar.
Já pensando no próximo ano, seria muito importante o mito e
o time traçarem um caminho para a conquista da Copa do Brasil, pois simbolizaria
que Rogério sairia de cena sem deixar de colocar o time nos eixos para seguir
rumo a Libertadores, nossa competição favorita.
Foto: spfc24horas.com
Deve-se trabalhar para que 2014 seja o ano de Rogério Ceni,
mas sabemos que ficaremos órfãos, sem referência e um tanto perdidos quando
chegar a hora da aposentadoria. Quando encontraremos um membro da equipe que
tenha tamanha identificação com o São Paulo e que possa vir a ser um ídolo? Não
um substituto para Ceni, mas precisamos de um ídolo.
Treinador exaltou fuga do rebaixamento para evitar decepção Foto: Ricardo Matsukawa / Terra
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra
Com isso, entramos em questões extremamente profundas e complexas sobre o ano que está por vir, entre elas as eleições no clube (que podem desencadear numa reforma na política são paulina) e renovação na equipe. Muricy fez o que pode com as ferramentas que tinha, e como sabemos bem, se ele tem boas condições e bons jogadores nas mãos a soberania tricolor é mais que certa. E voltando ao mito, ele merece um timaço na sua quase que certa última temporada.
O que importa nesse momento é entender o que aconteceu durante
todo esse ano e saber apontar as soluções para que 2014 entre para a história.
Mesmo nos despedindo de Rogério. Mesmo sem Libertadores.

Pensamento renovado, foco e garra, pois aqui é MAIS
trabalho, meu filho!