Hoje inicio minha coluna com o título que define o que o São Paulo vem atravessando nos últimos tempos, “Time de Guerreiros”. Título este definiu o São Paulo durante anos. Quem não se lembra da raça e a garra são-paulina vista em campo em 2005? Ano em que o time se consagrou e ganhou o Campeonato Paulista, Copa Libertadores da América e o Mundial de Clubes da FIFA.

Esse mesmo São Paulo de 2005 era comandado por Paulo Auturoi, onde posteriormente quem ocuparia seu posto à frente do time era Muricy Ramalho, que vinha da sua 3ª temporada no clube, era o atual Penta Campeão Brasileiro e conhecido como o mestre em competições de pontos corridos.

Apesar de vir de uma seqüência de títulos, o Tricolor Paulista iniciou o ano de 2008 de forma constrangedora. O Time de Guerreiros acabou eliminado na semifinal do campeonato Paulista, diante do rival Palmeiras e após três anos de grandes atuações pelo campeonato continental, também acabou saindo da disputa pela Taça Libertadores.

Na época o atual técnico teve seu cargo ameaçado e sofreu criticas, o que influenciou ainda mais na péssima campanha do time no campeonato nacional. Mesmo com as críticas e desacreditado, o Time de Guerreiros esbanjou reação após a derrota de 1 a 0, diante do então líder Grêmio, que hoje briga pelas primeiras posições no G4.

A reação se veio somente na reta final do torneiro, onde o Clube da Fé garantiu uma série invicta de vitórias seguidas no returno, garantindo a pontuação necessária para assumir a ponta e terminar o ano com as mãos na taça. Esse que foi o terceiro título consecutivo e HEXACAMPEÃO inédito na competição.

São fatos do passado que coincidentemente refletem no momento atual do clube. As situações são bastante semelhantes as que ocorreram em 2013. Sabemos das dificuldades em que o clube enfrentou desde o começo do ano, foram momentos e angústias bem parecidas com as de 2008, mas que serviram para motivar ainda mais os nossos guerreiros, que seguem na luta contra tudo e contra todos.

Creio que ainda temos muito o que melhorar, afinal a batalha ainda não terminou mas, é notável a reação Tricolor, como foi no último jogo desta quarta-feira (23), contra o Universidade Católica (Chile) pela Sul Americana. Não fizemos a nossa melhor partida, já que o era de se esperar a pressão total do adversário. Porém jogamos de igual pra igual. Atacamos e nos defendemos. Prestigiamos a grande atuação nosso goleiro, artilheio, Rogério Ceni, que se destacou mais uma vez com suas brilhantes defesas. Foi uma partida história e mesmo com desfalques, cada peça do elenco são-paulino teve sua importância na conquista da vitória e classificação para a próxima fase do torneio.

O que temos que manter são esses bons aproveitamentos não só para brigar pelo Bi campeonato da Sul Americana, mas para encerrar o ano de forma consagrada nas competições, assim como foi em 2008.

Por: Mariana Telhada
@telhadinha