Por Roberta Nina (@robertanina) 

Muricy voltou ao São Paulo e trouxe com ele a famosa formação vitoriosa que nos rendeu títulos em um passado não muito recente. Visto como um esquema retranqueiro por muitos jornalistas e torcedores, o fato é que o São Paulo comandado por Muricy jogou por tempos com três zagueiros de forma brilhante.

Em passagem anterior pelo Morumbi, o treinador teve o alcançou de sua opção tática com André Dias, Breno e Miranda defendendo o bi campeonato brasileiro em 2007. No ano seguinte, Rodrigo substituiu Breno na zaga e conquistamos o tri campeonato, ultrapassando o Grêmio (primeiro colocado até então) que estava há 11 pontos na liderança.

A campanha de 2007 foi impecável. O São Paulo foi definido como campeão brasileiro com quatro rodadas de antecedência, a defesa ficou nove partidas sem levar um gol – sendo 16 delas sem perder – e permaneceu na liderança do campeonato por 22 rodadas. Um time monstruoso que entrou para a história com 77 pontos conquistados em 38 jogos (23 vitórias, 8 empates e 7 derrotas).

Agora, de volta ao time que o consagrou campeão nacional por três anos seguidos, Muricy se deparou com uma situação diferente: ao invés de brigar por taças, sua obrigação é nos livrar da degola, e nosso “salvador” tem cumprido o seu papel. Com ele no comando, o time fez as pazes com a vitória e encontrou equilíbrio emocional, que estava abalado por conta dos fracassos.

Apesar de afirmar em ocasiões anteriores que o elenco são-paulino não tem jogadores com as características necessárias para montar um time no 3-5-2 com força na jogada aérea, como aconteceu em 2007 e 2008, Muricy tem jogado com três zagueiros, sim. Rodrigo Caio é peça fundamental para o esquema, que se reveza com atuações de Antônio Carlos, Paulo Miranda, Rafael Tolói e Edson Silva.

No último jogo contra o Bahia, a zaga foi formada por Paulo Miranda, Rafael Tolói e Edson Silva e deu conta do recado (A.Carlos estava contundido e R.Caio suspenso). É importante que a zaga esteja alinhada e pronta para entrar em campo quando necessário. E com esse esquema tático adotado, além de proteger ainda mais o setor defensivo, é possível liberar os laterais ao ataque.

No início do campeonato, o sistema defensivo do São Paulo não tinha um esquema definido e pecava muito na marcação. Hoje, sob o comando de Muricy, a zaga Tricolor é outra e com isso, o time também cresceu. Veja os números:

Gols sofridos pelo São Paulo no Brasileirão 2013: 29 gols. Com Muricy, em dez partidas, o time levou apenas seis gols.

Gols marcados pelo São Paulo no Brasileirão 2013: 30 gols. Com Muricy, em dez partidas, o time marcou 13 gols (quase a metade!)

Derrotas sofridas pelo São Paulo no Brasileirão 2013: 12 derrotas. Com Muricy, em dez partidas, o time perdeu apenas duas vezes.

Vitórias conquistadas pelo São Paulo no Brasileirão 2013: 11 vitórias. Com Muricy, em dez partidas, o time ganhou sete vezes (inclusive do líder do campeonato!)

A mudança que Muricy implantou no São Paulo é nítida e os números comprovam: poucos gols tomados e muitos marcados. Não é fácil assumir um time na 20º rodada de um campeonato como o Brasileiro, encontrar a equipe totalmente desmontada (no físico e no psicológico), na zona de rebaixamento (18º posição) e o colocar no meio da tabela em apenas nove rodadas (10º colocado). Tudo melhorou, da defesa ao ataque e na hora do aperto (como foi o último jogo contra o Bahia, na Fonte Nova), foi possível perceber que até os meias, como PH Ganso, estavam marcando fortemente.
Para coroar esse ótimo desempenho da equipe, o São Paulo tem a melhor campanha do segundo turno, ao lado do líder Cruzeiro, somando 22 pontos.

Abençoada seja a nossa gloriosa linha de três zagueiros! Que nos traga muitos títulos, como de costume.

Vamooooooooooooo São Paulooooooooooooo! 

Créditos fotográficos: Antônio Gauderio / UOL e José Patrício / Agência Estado 

Sigam no twitter: @robertanina e @spfc1935