Se tivesse entrado aquela primeira bola que o Luis chutou logo no comecinho do jogo contra o Grêmio…
 
Se um bom lance e um chute pro gol do Wellington fosse uma constante e não um rompante…
 
Se o Aloísio usasse a inteligência também e não só a força…
 
Se o Douglas fosse menos teimoso e parasse de fazer Douglices…
 
Se tivéssemos um atacante matador e não problemático…
 
Se o juiz fosse honesto ao inves de larápio…
 
Se o Muricy tivesse vindo antes…
 
Se a seleção não tivesse acabado com o futebol do Osvaldo…
 
Se não tivéssemos sido abandonados pela sorte…
 
E em meio a tantos “se´s”, senões, porques ou dúvidas, uma certeza: viraremos o jogo.
 
Seremos o maior reforço que o Tricolor pode e deve contar nesse momento nada condizente com a nossa grandeza.

(Imagem: Felipe M. Mariano)

Vistam suas camisas e amarrem suas chuteiras! Chegou a nossa hora de vestir o manto, bater no peito e clamar a pulmões cheios o quanto somos, acima de tudo e antes de mais nada, São Paulinos. Na saúde e na doença, na alegria e na tristeza e até depois da morte, já que alma não morre.
 
Dentro e fora do estádio multiplicaremos nossas vozes fazendo aquilo que esperam (e sempre cobraram): apoio incondicional.
 
E seguiremos assim até o final do campeonato…Depois, às bruxas, porque elas existem e também merecem nossa atenção!
 
Avante, São Paulindos!
Por Carol Nader – Twitter:@NaderCarol