Deveríamos ter voltado de Goiânia com mais 3 pontos. Deveríamos, mas dependentes que estamos do sal grosso e perseguido por almas pequenas, sofremos um gol bisonho.

     Não gosto de creditar (in)sucesso nos confrontos ao azar, mas na partida contra o Goiás, o que definiu o placar foi isso sim. Mas dói mesmo assim.

     E de tudo, o principal é que nem isso nem nada irá nos abater, ao contrário.

     Danen-se imprensa marrom, os antis e até mesmo o discurso vazio que se pretende sensato de alguns dos nossos.

     A crise mudou de lado. E continuará por lá.

     Aqui, apesar de ainda estarmos juntando alguns cacos, a melhora é evidente e o crescimento nítido.

     Não é a toa.

     A história pesa. A história nos precede, nos apresenta e nos fortalece.

     A história vai a campo. A história joga. A história decide.

                                                               (Imagem: tales.ebner)

     E o retorno do Muricy ao clube só reforça essa tese.

     Se hoje temos um time aguerrido é graças à ele, e as importantes marcas de sua passagem histórica pelo clube.

     E quinta feira, quando surgir no gramado o Bem Amado, junto estarão todas as grandes vitórias da história.

     Elas também jogam. Assim como a torcida. E nesse momento em que o time encontra-se em franca recuperação, não cabe aqui ficar apontando erros. E não cabe literalmente, porque são muitos, mas, ainda que coubessem, eu não o faria.

      Como já escrevi antes, é preciso saber a hora certa de apoiar e de protestar. E não precisa ser gênio para saber que o momento é de apoio, só precisa de amor ao clube mesmo…E isso, provamos jogo a jogo que temos de sobra!

     À batalha, São Paulinos.

     Por Carol Nader – twitter: @NaderCarol