Uma derrota atrás da outra.

Rumores de rebaixamento. É uma possibilidade cada dia mais plausível.

Que essa possibilidade  sirva, para ao menos formar uma oposição de força e qualidade, afinal, de nada adianta espernear e clamarmos pela saída do Juvenal e ficarmos sentados, esperando que isso aconteça e ele NÃO faça um sucessor. Tá!

Tenho uma inquietude natural que se agrava muito em situações como essa que estamos atravessando e essa semana me peguei pensando no papel das redes sociais…. Como pode, toda indignação e revolta que aparece na minha timeline, resultar em nada? Como pode aquela revolta, virar amor eterno 3 segundos depois? Então não era revolta? Era chilique mesmo? Cinco minutos de bobeira?

É claro que já vi de tudo nessa vida, gente que faz muito barulho por nada, gente que não perde a piada mesmo que seja sobre o clube, gente acomodada que não se acha capaz de fazer a diferença, enfim, gente de todos os tipos. Só que também fui acostumada com gente, que pinta a cara e dá ela pra bater, doa a quem doer…E são nelas que eu acredito, foram elas que tiraram um presidente de uma nação, pra mostrar que é possível sim!

(imagem: globoesporte.globo.com)

Bem oportuna para o momento a velha frase de que “não sabia que era impossível foi lá e fez…”, mais clichê que essa só a batatinha quando nasce, mesmo assim, ainda faz parar, pensar, e quiçá, despertar alguma vontade de mudar naqueles que ainda acreditam que o melhor é esperar o tempo passar.

Ah, o tempo! É tanta responsabilidade jogada nas costas dele que não sei como ainda não parou de vez!

Será que além de se indignar com a falta de qualidade de passe, das finalizações, do posicionamento da defesa, do esquema tático, do fechamento da janela e tudo mais, não devemos nos indignar, DE VERDADE, com o tipo de política praticado pelo Juvenal?

Sei que é muito mais legal falar de futebol, porém o momento é político, e nesse sentido, o cenário já está praticamente todo desenhado. Ao lado de Juvenal, temos Carlos Augusto Barros Silva, Roberto Natel e o Adalberto (que se não sair correndo pro vestiário de novo também pode estar no páreo, pasmem), ambos aguardando o anúncio de quem será o sucessor apoiado pela situação.

Anuncio feito, o que sobrar provavelmente irá formar a segunda chapa e com isso, inviabilizar até mesmo o pleito do MAC ao cargo. Seria algo como uma eleição entre situação e situação…Uma vergonha!

Viu, era mentira do Tiririca, pior do que está fica sim!

Desnecessário dizer, que nunca antes desejei tanto estar errada. Queria que o São Paulo acordasse gigante em campo, deslanchasse no Brasileiro, escapasse de ser o Tahiti da Audi Cup, que o Muricy voltasse, que o MAC fosse nosso futuro Presidente, que voltássemos a contratar e não só a movimentar o mercado da bola com especulações, enfim, queria escrever tudo bem diferente do que escrevi aqui…

Pra falar a verdade eu até sonho com as alegrias que esse clube já me deu e com o dia que voltará a dar.  E a minha parte eu vou fazer, sei do poder que não tenho nos pés, mas sei também a responsabilidade que tenho nas mãos, enquanto torcedora, enquanto cidadã, enquanto filha de Ary Antonio, o São Paulindo mais amado e admirado por mim nessa e em todas as outras vidas e dimensões, aquele que me fez gostar de futebol e amar o São Paulo. Que me fez forte, corajosa, inconformada e preparada pra encarar qualquer fase ruim de frente, mesmo sem ele por perto e com coração bem apertado as vezes…

Pai, sei que as vezes não parece, mas está tudo bem aqui e o que não está, ainda vai ficar. Como você dizia, os dias vão, a noite vem, as vezes fica tudo escuro, mas aos poucos vai clareando tudo de novo…E o sol ainda brilha!

E vai voltar a brilhar pra todos nós, São Paulinos de alma, porque o coração um dia para de bater, mas a alma, é eterna.

É isso.
Saudações São Paulindas!
Por Carol Nader – @NaderCarol