Por Camis Carvalho – @camisspfc
Em 25 de junho de 1993, em uma singela partida entre o São Paulo e o Tenerife, da Espanha, estreava um garoto tímido e assustado, vestindo pela primeira vez o manto sagrado em uma partida profissional. Mal sabia ele, e os torcedores que presenciaram essa partida, que este garoto se tornaria um dos maiores ídolos da história do São Paulo Futebol Clube – se não for o maior. 
20 anos após sua estreia como profissional, Rogério Ceni está perto de encerrar sua carreira, e pretende bater o recorde de Pelé de jogador que mais vezes defendeu um mesmo clube. Para isso, nosso capitão deve participar de mais 38 partidas para superar as 1114 de Pelé, já que tem atualmente 1077 jogos com a camisa do São Paulo. Esta meta é perfeitamente alcançável, caso Ceni consiga manter sua regularidade e participar de todas as próximas partidas – cerca de 40, sem contar as que podem acontecer caso o Tricolor avance na Sul-Americana.
O contrato de Rogério vence no final do ano, mas o desejo da torcida e até mesmo da diretoria, é que ele permaneça presente no Clube, nos bastidores e nas arquibancadas, evidentemente. A identificação dos torcedores com o goleiro é surreal, e se explica não só pelo seu amor declarado e fidelidade inigualável pelo Tricolor, mas também pelas suas conquistas e postura de liderança. 
 Foto: diariodocentrodomundo.com.br

Chamado carinhosamente pela torcida de MITO, Rogério coleciona mais de 25 títulos pelo São Paulo, entre eles duas Libertadores e o inesquecível Mundial, onde fez defesas inacreditáveis e foi eleito o melhor jogador da partida. Além disso, o nosso eterno Camisa 1 ainda dispõe de diversos prêmios individuais, destacando-se o de Quinto melhor goleiro do Mundo, eleito pela IFFHS em 2007.
Seus recordes são muitos, entre eles o jogador que mais vezes atuou com a camisa do clube, o jogador com mais jogos em Campeonatos Brasileiros atuando pelo mesmo time, goleiro são-paulino com a maior série de jogos sem sofrer gols em Campeonatos Brasileiros, segundo goleiro menos vazado de toda a história de Campeonatos Brasileiros, recordista brasileiro de jogos pela Libertadores, segundo goleiro da história com mais títulos em um só clube, jogador que mais vezes jogou como capitão na história do futebol mundial, maior vencedor do Troféu Mesa Redonda, maior vencedor da Bola de Prata pela revista Placar, e, é claro, é o maior goleiro-artilheiro do mundo.
Foto: lendasdabola.blogspot.com
O currículo de Ceni é de tirar o fôlego, e mesmo com sua aposentadoria, seu nome sempre terá destaque na história do futebol e, principalmente, na história do São Paulo. E faço questão de terminar esta coluna com um trecho da carta escrita em homenagem ao nosso ídolo, na ocasião da comemoração de seus 20 anos de São Paulo Futebol Clube:
“Mais do que tudo, Rogério Ceni soube amar. Amar tanto o São Paulo Futebol Clube a ponto de ser reconhecido pelos milhões de torcedores como sendo um deles dentro do campo. Dessa gente sofrida, que vem de longe e dedica ao Clube horas do seu lazer e o sacrifício dos abnegados, Rogério Ceni recebe o carinho que somente dispensariam àqueles nos quais reconhecessem a coincidência do igual amor. (…) Que seja assim por mais outras tantas décadas, que Rogério Ceni e São Paulo Futebol Clube continuem vivendo esse encontro abençoado e sigam juntos por um caminho comum, uma trilha de glórias e vitórias motivadas pelo carinho, pelo respeito, pela admiração recíproca, enfim, pelo AMOR!”

Avante, Tricolor. E obrigada por TUDO, Mito!
Foto: sportv.com