Por Camis Carvalho – @camisspfc
São Paulo e Palmeiras se enfrentaram ontem no Morumbi, pelo Campeonato Paulista. O jogo terminou 0x0, resultado que manteve o Tricolor na liderança do Paulistão. Mas ontem foi mantido também um tabu: o Palmeiras não vence o São Paulo no Morumbi desde 2002, quando o time alviverde ganhou de 4 a 2 no Torneio Rio-São Paulo.
Diante desta estatística, resolvi relembrar na minha coluna desta semana, as curiosidades, números e dados deste clássico paulistano com aproximadamente 80 anos de história.
Foto: saopaulinos.org
Até 1938 o atual São Paulo, nascido em 1935, havia disputado oito jogos contra o então Palestra Itália e não havia sentido o sabor de uma vitória sequer contra o rival: foram sete derrotas e um empate. Porém, no dia 26 de março 1939 veio o primeiro jogo contra eles, válido ainda pelo Campeonato Paulista de 1938. E aí aconteceu não só a primeira vitória, como também a maior goleada do clássico até hoje: 6×0 pro tricolor!
Desde que o atual São Paulo foi fundado, não havíamos conquistado título algum. Mas em 1941 os dirigentes resolveram montar o chamado “Esquadrão de Ouro”, com a contratação de reforços. E em 1942 chegou o maior deles: Leônidas da Silva, com 28 anos, contratado por 200 contos de réis, um absurdo para a época. Mas valeu a pena: o Diamante Negro foi o grande artilheiro tricolor no ano de 1943, com 16 gols. E foi em 1943, diante do rival Palmeiras, que o São Paulo conquistou seu primeiro título: o Campeonato Paulista, diante de mais de 42 mil torcedores presentes no Pacaembu no dia 3 de outubro, em um empate de 0x0 que consagrou o Tricolor.
Foto: saopaulofc.net
Em 10 de novembro de 1946, veio o terceiro título Paulista do Tricolor, que teve um prazer quadruplicado: primeiro, porque fomos bicampeões (havíamos sido campeões no ano anterior); segundo, porque conquistamos o título sem perder um jogo sequer (campeão invicto, com 17 vitórias e 3 empates); terceiro, porque o título foi conquistado sobre o rival Palmeiras; e quarto, porque tiramos a Taça dos Invictos do Palmeiras, ao ficarmos 23 jogos sem uma única derrota (essa Taça foi criada pelo Jornal Gazeta Esportiva, e tinha uma enorme importância para os torcedores na época). 
Em 1971, conquistamos mais um bi em cima deles, também pelo Campeonato Paulista, com um 1×0 no Morumbi, diante de grandes nomes do Palmeiras, como Leão,  Ademir da Guia e Leivinha.
Um jogo mais recente, que também marcou a história do Choque-Rei, aconteceu pelo Campeonato Paulista, em 1981, quando o São Paulo goleou o Palmeiras por 6×2, com a ausência de Dario Peryra, contundido, mas grande atuação de Mário Sérgio – marcando dois, dos seis gols – e de Valdir Peres. Neste ano o Tricolor também foi campeão.
Um dos tabus mais famosos entre os dois times é a sina do alviverde diante do Tricolor em Libertadores. Em 1994, 2005 e 2006, o Palmeiras foi eliminado da competição pelo São Paulo. Vale lembrar que é justamente na Libertadores que mora o maior tabu entre ambos, e que ainda está em vigor: O São Paulo nunca perdeu para o Palmeiras em Libertadores da América. O primeiro jogo foi em 1974. São 6 vitórias do São Paulo e 2 empates. Assim, há um tabu de 36 anos, porém, ambos os times não costumam se enfrentar anualmente na competição. O último encontro aconteceu em 2006.
Estas foram algumas partidas que resolvi destacar. Agora vamos analisar os dados gerais?
Em confrontos gerais, são 302 partidas, com 104 vitórias do São Paulo, 97 do Palmeiras, e 101 empates.
A maior goleada entre os times, como eu já disse, foi do Tricolor: 6×0 em 1939. Mas a segunda maior goleada também é nossa: 5×0, em 1956. A nossa vantagem é grande: nas 10 maiores goleadas do clássico, 8 são do São Paulo, e apenas 2 são do Palmeiras (5×0 em 1965 e 4×0 em 1953).
Os 10 maiores públicos do Choque-Rei foram com mando de campo tricolor, sendo que o maior público do clássico aconteceu em 1979, com 119.113 torcedores, que assistiram o 0x0 ente os dois times.
O São Paulo já eliminou o Palmeiras de um torneio, em confrontos diretos, em 10 oportunidades: nos Paulistões de 1978, 1987 e 1998, no Torneio Rio-São Paulo de 1998 e 2002, no Supercampeonato Paulista de 2002, na Copa do Brasil de 2000 e nas Libertadores de 1994, 2005 e 2006.
Vale lembrar também, que o Palmeiras é o maior freguês de Rogério Ceni, já que é o clube que mais sofreu gols do M1TO: 7 no total, sendo 4 sobre o Marcos, 2 sobre o Sérgio e 1 sobre Diego Cavalieri.
Foto: saopaulofc.net
Como já disse um sábio: “relembrar é viver”, não é mesmo? É sempre gostoso rever números de um clássico tão importante do futebol brasileiro. E uma das maiores rivalidades também.
E vocês, leitores, tem algum jogo entre Palmeiras e São Paulo que foi marcante pra vocês por algum motivo? Contem pra gente nos comentários!
Avante, Tricolor!