Saudações tricolores!
Ontem o time principal do SPFC teve seu primeiro compromisso oficial no ano de 2013: a primeira partida válida pelo Campeonato Paulista de 2013, contra o Mirassol. O tricolor não fez uma partida primorosa, mas também não foi absolutamente horrível. Venceu o jogo por 2×0, com gols de Luís Fabiano e Jadson. 
O que foi possível observar no time de ontem é que nitidamente ainda temos algumas arestas pra corrigir, o que é perfeitamente normal. O time ainda não está no auge da sua preparação física. 
Ser ou não otimista é característica individual. Há torcedores extremos, que acham que sempre tudo está lindo e maravilhoso e há torcedores que acham que tudo está horrível. Diante destes extremos, nos quais eu não me encaixo, há uma gama enorme de torcedores tricolores. Para estes, digo que acredito que o tricolor poderia ter contratado mais. Perdemos duas contratações (Montillo e Vargas) para times brasileiros. Óbvio que não sou louca de achar que vale tudo pra ter um jogador. O clube faz bem em ter um teto e não aceitar valores absurdos pra ter um jogador. Agora, é necessário entender também que o time tem uma séria necessidade de ter um jogador veloz que ao menos tente substituir em partes a ausência de Lucas. 
O grande desafio do SPFC já é semana que vem. O jogo contra o Bolívar começa no Morumbi e termina fora de casa. O SPFC precisa fazer o placar em casa, pois fora de casa é o único lugar que o Bolívar representa algum risco. Agora, se o SPFC cair no mesmo erro de Libertadores perdidas (2007, 2008) e Copas do Brasil (2012), fazendo 1×0 em casa e indo decidir fora de casa, o prognóstico não é bom, mesmo o Bolívar sendo um time fraco. Libertadores, quando o primeiro jogo é em casa, precisa-se fazer o resultado. Simples assim. Não tem outra alternativa. Quando o primeiro jogo é fora de casa, empatar ou até perder por 1×0 ou 2×1 não são resultados ruins. Mas a decisão para o tricolor começa em casa. Assim, é ganhar e ganhar bem. 
Muitos me perguntaram no Twitter quem eu traria. Bem antes de Montillo ir para o Santos, já o queria pelos lados do Morumbi. Esta foi uma contratação que doeu ser finalizada por outro time. Não sou destas que achavam que o SPFC tinha que ter tentado trazer o Kaká. Financeiramente isso seria um absurdo. Acho que podemos passar pela pré-Libertadores, mas o time vai precisar de um entrosamento muito grande e um preparo físico fantástico, se é com este elenco que vamos até o final da competição. Isso fora uma dose de sorte, de não termos jogadores-chave machucados. 
É amigos… O ano que parece ser promissor atinge um certo ar de preocupação. Não é desânimo nem ser corneta, mas é ter senso crítico de esperar que o time poderia estar um pouco mais bem reforçado para esta decisão que se aproxima. É ver que alguns rivais estão com bons times, times bem reforçados. E ver que seu time tinha dinheiro em caixa e poderia ter se esforçado um pouco mais pra atingir certos objetivos. Agora é torcer, muito, que estes reforços que não vieram não façam tanta falta assim. 

Thaís Paradella.