Saudações tricolores!

Nesta última coluna de 2012, gostaria de fazer uma breve retrospectiva do que foi o ano de 2012 para o SPFC, ano este que não começou tão bem assim, mas terminou com título. 
Logo em Janeiro, já tivemos a Copa São Paulo de Futebol Júnior e o SPFC caiu cedo. Inúmeras discussões  sobre o valor de Cotia dominaram as redes sociais. Afinal, o SPFC gasta anualmente uma quantia considerável para manter o centro de formação de atletas em Cotia. Esperava-se que ao menos o time tivesse uma boa apresentação na Copinha, mas não foi o que aconteceu. 
Ainda no começo do ano, tivemos o Campeonato Paulista. Primeira fase sem grandes problemas, time ainda se acertando, torcida relativamente cética…E aí, chegamos à semifinal, para enfrentarmos o Santos. O tricolor perdeu. Santos foi para a final, enfrentar o Guarani de Campinas, que venceu a Ponte, que eliminou o Corinthians. Santos Campeão Paulista. 
E veio a Copa do Brasil…! O torcedor pensou: ‘Agora sim, temos chances!’. E tínhamos mesmo. Mas cometemos o mesmo erro em mata-mata que na Libertadores de 2008. Ganhamos de 1×0 em casa e fomos decidir fora dela… Com o Coritiba. Resultado? SPFC eliminado. E torcedor começou a achar que iríamos passar 2012 em branco. Até porque o primeiro turno do Brasileirão não foi lá tão bom assim… Será que mais uma vez iríamos ver a vaga da Libertadores longe do Morumbi? 
O segundo semestre foi bem mais interessante: o time conseguiu uma bela arrancada no Brasileirão. E veio a Sul-Americana, coroando o ano de 2012 com um título internacional inédito para o tricolor. A vaga da Libertadores veio tanto pelo Brasileirão, quanto pela Sul-Americana. 
Lucas foi o grande destaque do ano. Mesmo depois de vendido para o Paris-Saint-Germain, o garoto não tirou o pé de dividida, correu muito e mereceu levantar a taça na Sul-Americana. Mostrou a todos o que é ser são-paulino, o que é ser um bom garoto, sem puxa-saquismo e mídia! Mas com muita bola no pé e amor à camisa tricolor. 
Pontos baixos: o fato do time ter demorado a engrenar. Poderíamos ter disputado mais títulos. Ney Franco cometeu alguns erros na montagem do time, mas acabou acertando no final. Leão foi um atraso de vida. E o Tigre até tentou estragar a festa do SPFC, mas não conseguiu, mas saiu mostrando quão pequeno pode ser um time argentino. 
De uma maneira geral, é assim que vi 2012. Um ano que alguns rivais chegaram, pela primeira vez, a um título internacional, mas um ano em que o SPFC voltou a levantar uma taça e de um título internacional. Cabe agora o clube se planejar corretamente, Ney Franco montar o time corretamente, porque em 2013, já temos a pré-Libertadores contra o Bolivar (que já começou querendo parecer maior do que é, pedindo para a Conmebol não disputar o jogo no Morumbi, alegando ‘falta de segurança’…Que engraçado né? Lembro de inúmeros jogos da Libertadores em que times argentinos e paraguaios davam pedradas em jogadores, chutes, fora os inúmeros socos…E aí, tudo bem né? Aí pode. Times sul-americanos como estes me parecem cada vez menores…Fácil acabar com isso logo. Basta meter uma bela goleada nestes times pra acabar com a voz deles.). 
Temos um elenco interessante. Podemos ter um ótimo time. Cabe agora Ney Franco montar o time e torcer para que o time corresponda à expectativa da torcida. 2013 pode ser o ano de Ganso. E pode ser mais um ano de títulos para o tricolor! 
Feliz Natal a todos e um ótimo Ano Novo a todos nós, São-Paulinos e São-Paulinas!

PS: Agradeço a todos os leitores que prestigiaram minhas colunas todo domingo. A vocês que leram, comentaram, concordaram, discordaram…Enfim, o meu muito obrigada! Este espaço só existe pra vocês!


Thaís Cachuté Paradella 

Fonte das fotos: SaúdeWeb e BlogdaJuPenedo