Saudações tricolores! 
Hoje gostaria de falar sobre um assunto que todo tricolor que acompanha as notícias do SPFC em portais de notícia esportiva já deve ter notado… Quase sempre, surge uma reportagem sobre o SPFC com no mínimo um ar depreciativo. No dia de hoje mesmo, estava eu lendo as notícias em um grande portal da Internet, quando me surge a matéria (com um título no mínimo questionável) que o SPFC não consegue encher 50% do Morumbi em média. 
O artigo cita que a média de público do SPFC antes de chegar ao G4 era de 19.154 torcedores. Quando chegou ao G4, a média subiu para 27.369, dando uma média geral de 20.181 torcedores. 
Então, o artigo cita que nas últimas partidas o tricolor baixou o preço dos ingressos da arquibancada (de R$ 40 para R$10) e o público foi aumentando. E finaliza citando que mesmo ‘não conseguindo encher 50% do Morumbi em média’, o SPFC ostenta os 5 maiores públicos do Campeonato. 
Ah, lógico o artigo também cita que contra o Fluminense já foram vendidos mais de 35 mil ingressos, ou seja, certamente teremos mais de 40 mil no Morumbi hoje e ‘esta média deve mudar’
Interessante né? Quem lê o título acha que o SPFC está um desastre em termos de público, mas o próprio autor da reportagem não consegue ostentar seu argumento, quando diz que a média vai subir, com o público de mais de 40 mil hoje esperados no Morumbi. Além disso, como pode um time que não consegue encher nem metade do seu estádio ter os 5 maiores públicos do Campeonato? 
Ora, números são só números e quem trabalha com pesquisa (eu, no caso), sabe muito bem que bastam novos dados para a média mudar. Além disso, não basta você simplesmente enxergar uma média de público. Qual é o desvio padrão desta amostra? A média está subindo? Analisemos a média: foi de pouco mais de 19 mil para 27 mil! Para uma média mudar tanto assim em poucas semanas, é óbvio que o público mudou muito nos últimos jogos! Ou seja, nos últimos jogos temos tido mais público (e os números mostram que sim!), então estamos em uma tendência crescente, ou seja, o título da reportagem (se esta não quisesse ser sensacionalista), poderia ser ‘Público crescente no Morumbi reflete boa fase do time’. Vê como é diferente? 
Acho interessante como uma parte significante da imprensa esportiva não gosta do SPFC. Não tem como negar. Vejo comentaristas que se dizem imparciais fazerem comentários tão absurdos sobre o SPFC e quando é pra falar de outro jogador, de outro time, que teve atitude igual, aí o comentário é diferente, bem mais positivo. 
Não adianta: infelizmente no país que vivemos quem é organizado, quem se destaca tem que ser rebaixado de alguma forma. Principalmente se não é o clube ‘do povo’. Acho inacreditável como Flamengo e Corinthians recebem muito menos críticas, com administrações questionáveis nos últimos anos (sobretudo Flamengo nos últimos anos e Corinthians em 2005, por exemplo) e são pouco criticados. Não vejo a mesma reportagem sobre o Flamengo. Afinal, o time ‘com maior torcida do país’, ontem, jogando em Volta Redonda (lutando contra o rebaixamento), levou míseros 4.532 pagantes (total de 6.736 torcedores). Onde está a reportagem, na primeira página de grandes portais dizendo: ‘Mesmo lutando contra o rebaixamento, Flamengo leva público pífio ao jogo?’ Sim, porque pouco mais de 6 mil é um público pífio para o clube que sempre diz que tem ‘a maior torcida do Brasil’. Estranho né? Não vi qualquer reportagem a respeito do público ridículo do jogo do Flamengo de ontem.Vi sim reportagens dizendo que o Flamengo escapou da degola no jogo contra o Figueirense, sem qualquer menção no título sobre o público. Aliás, há em outros portais reportagens sobre este jogo que sequer mencionam o público.  
O Flamengo, jogando no RJ, levou pouco mais de 6 mil torcedores. O SPFC é que tem a reportagem na página principal dizendo que não enche 50% do Morumbi. Interessante né? 
Por isso que é muito difícil acharmos jornalistas/comentaristas realmente ‘imparciais’, pois parece que quando se trata do SPFC, é sempre mais fácil (e traz mais ibope) criticar (mesmo quando não se tem muito fundamento) do que fazer uma análise crítica não-tendenciosa dos números. 

Thaís Cachuté Paradella.