Por: Mayra Soares (@soaresmayra)

Hoje vamos relembrar um ídolo inesquecível, daqueles que sempre estão em nossos corações e mentes.
Mas como sempre ouvimos dizer que relembrar é viver, aí vai…

Raí representou um marco dentro do clube do São Paulo.

Alguns torcedores costumam dizer que depois de Raí ninguém vestiu a camisa 10 do nosso Tricolor, com a maestria que ela merece, e eu peço perdão ao Rivaldo, ao Hernanes, e a todos os outros que sucederam Raí, mas eu também compartilho dessa opinião!

Raí vestiu a camisa Tricolor como uma segunda pele, acreditou no clube e ajudou a trazer algumas das estrelas que honramos hoje carregar no peito.

Nascido em Ribeirão Preto, Raí Souza Vieira, ou só Raí, veio do Botafogo.

Raí chegou no São Paulo em 1987, marcou 26 gols nesse período, e em outubro de 1990, com a chegada do Mestre Tele Santana, Raí pode mostrar o quanto era útil para que a máquina, que nosso saudoso mestre criou, funcionasse.

Foram 28 gols em 1991, e a artilharia do Campeonato Paulista com 20 gols!

São duas Libertadores e um Mundial.

Raí foi pra França, jogar no Paris Saint-Germain, mas o clube que o consagrou não saíria de seu coração assim tão facilmente.

E não saiu mesmo, em 1998 desembarcou no Brasil, Campeonato Paulista e o adversário de agora, era o mesmo de 1991. A torcida do rival, até hoje lamenta o retorno de Raí, e sabiam no momento que o viram em campo, que o final daquela história não seria positvo para eles.

Primeiro tempo 1 x 0 e quem era o autor do gol? Raí.
Foram 3 x 1. E claro Raí peça importantíssima, pra que isso acontecesse
Raí passou de craque a ídolo, talvez nem ele imaginasse tal feito, afinal seu primeiro contato com o esporte aconteceu através de um campeonato de basquete em sua cidade. Mas foi no futebol que ele encontrou sua identidade.

Em 1999, Raí passou por uma cirurgia no joelho e ficou nove meses sem pisar nos gramados. Ao se recuperar , voltou e ajudou o Tricolor a vencer o campeonato paulista sobre o Santos.

E aí sim, o agora ídolo de uma nação, aproveitou para se despedir do futebol, encerrou sua carreira aos 35 anos.

Raí cravou sua história na história do futebol!
E para torcida tricolor Raí será sempre o TERROR DO MORUMBI!