Saudações tricolores! 
Ontem o tricolor enfrentou a Portuguesa no Morumbi e venceu por 3×1. O objetivo desta coluna não é falar dos lances e dos protagonistas deste jogo em si, mas sim de um personagem que ontem, ao encontrar o goleiro da Portuguesa (Dida) pode ter repensado um pouco a sua vida e percebido que o dia em que ele vai parar de jogar está chegando… Tricolores, esta coluna é sobre Rogério Ceni. 
O jogador que veio da cidade de Pato Branco, no Paraná e está há 22 anos no mesmo clube merece todas as homenagens. Não só por ter sido campeão mundial e ter sido o melhor jogador da partida contra o Liverpool, por ser autor de centenas de gols, por ser o maior goleiro-artilheiro, mas sim por tão bem representar o espírito são-paulino. Este jogador que é admirado por tantos (e criticado por tantos outros, representando um dos maiores casos de dor-de-cotovelo que já se viu no futebol), ontem reencontrou o goleiro Dida. 
Na reportagem da Globo.com, Rogério fala de como foi emocionante este reencontro: 
– A primeira vez que joguei contra o Dida faz 19 anos. Foi na Copa São Paulo, semifinal entre São Paulo e Vitória. Já nos enfrentamos algumas vezes. Talvez seja um dos últimos duelos, não da parte dele, mas da minha – relembrou.
Crédito da Foto: Marcos Bezerra/FuturaPress
E como vai ficar o torcedor são-paulino após a aposentadoria de RC? Sim, infelizmente este dia vai chegar. Acredito, inclusive, que não deve passar do ano que vem. Será complicado para o novo goleiro que assumir de vez a posição de titular. Se for Denis, o garoto vai ter que melhorar ‘na marra’, pois é óbvio que as comparações com RC serão frequentes, mesmo sabendo que o goleiro fica melhor com o tempo, pois ganha mais experiência. Assim, o torcedor deve lembrar que o auge de RC aconteceu anos após ele estrear. Assim, teremos que maneiras com as cobranças em cima de Denis. 
O SPFC irá seguir, pois o clube é sempre maior que qualquer ídolo. Assim como eu vi Raí se aposentar, também iremos ver RC. O clube continuará sua história e talvez outros ídolos surgirão. 
O tempo costuma aplacar tudo, então lembraremos só dos excelentes momentos de RC e esqueceremos suas falhas, o que é ótimo. Muitos acharão que ele deveria continuar, mas o atleta também tem seu momento de encerrar a carreira. Faz parte. O corpo não aguenta mais a rotina de treinamentos e começa a não responder mais em campo. A cabeça quer, o corpo não obedece. 
O torcedor mais saudosista irá lembrar das partidas contra o Cruzeiro (2×2), que perdendo de 2×0, RC defendeu um penalty e ainda garantiu o empate com gol. Jogo fantástico, inesquecível. Ou quem sabe o próprio jogo contra o Liverpool. Para os que acham que RC é arrogante e é bom em fazer gols com o pé, veja esta partida. É a definição máxima de uma partida praticamente perfeita de um goleiro. O dia da vida do cara. 
E a quem acha que ele é arrogante, este é o Brasil, país no qual quem estuda, fala bem, é articulado, acompanha notícias…‘Ah, este é arrogante’. No Brasil, tem que se fazer de coitadinho, falar errado, parecer que nunca leu um livro na vida: ‘Ah, este sim é legal, é amigo!’. Por isso que não temos como ídolos nacionais pessoas que chegaram lá com estudo e dedicação. Não… Na hora de falar em ídolos, quem se lembra do Dr. Dráuzio Varella? Quase ninguém…O cara tem que ser de família pobre e tem que chegar lá, na maioria das vezes na malemolência… Achar o ministro do Superior Tribunal Joaquim Barbosa fantástico? Muitos nem sabem quem ele é. E no futebol? Ah, aí é Neymar, ele sim é o máximo… Este sim. Agora, Messi? Ah, Messi não. Imagina… O cara é sério, dedicado, não comemora com dancinhas, não tem cabelo diferente, o cara é na dele…Aí não é legal. Incrível como brasileiro consegue ser… (Acho que por isso que não torço para a seleção faz muito tempo e não fico cantando aquela musiquinha… Sou Brasileiro, com muito orgulho…). Dedicação? Ah, não. Principalmente no futebol, o cara tem que nascer sabendo. Se o cara fica após o treino, treinando, treinando…Ah, não. Este aí não. Vamos sim dar valor ao cara acima do peso, ao cara que bebe, este sim…Vai ser a salvação do time. 
Se o cara é nitidamente sério, não falta aos treinos, é profissional, este não vai ser admirado.  A regra costuma ser esta. Admirado vai ser o cara que não faz nada disso. Juro que dou risada quando alguém me fala que acha que o RC é arrogante. Vejo uma dose tão grande de dor-de-cotovelo nisso. Engraçado que quando escuto isso é de Corinthiano ou Flamenguista…Justo os dois clubes que primam por fazer tudo ao contrário do que o SPFC faz (no últimos anos, sobretudo o Flamengo). 
O SPFC não é perfeito, longe disso. Nem RC. Mas é incrível a falta de conhecimento e noção futebolística dos que não acham seu currículo fantástico, que não entendem como um único jogador pode representar tanto para uma torcida. 
Se a torcida do Corinthians sentiu tanto quando Sócrates parou de jogar, o jogador que conquistou um único campeonato Paulista (sim, foi só isso…), imagina como fica o torcedor quando RC se despedir dos gramados. 
Ao torcedor pessimista, o dia no qual RC vai se aposentar está cada vez mais próximo, ontem foi um jogo a menos na sua carreira. Ao mais otimista, vale curtir cada momento em que o nosso capitão ainda está em campo. 
Thaís Cachuté Paradella.