Sabemos que a vida de um atleta exige que ele mantenha alguns comportamentos específicos como: profissionalismo, disciplina, abdicação, seguimento de regras e autocontrole. Essas características são fundamentais para um atleta de alto rendimento. Mas, a participação em esporte competitivo, a rotina pesada de um atleta, ajuda a preparar indivíduos para a vida? 

Foi realizado um estudo que comparou a participação no esporte com a realização acadêmica. Encontrou-se como resultado que atletas universitários tem em média notas acadêmicas mais altas e aspirações educacionais mais elevadas do que estudantes que não participavam de equipes esportivas. Foi levantado como hipótese o fato de que essa relação positiva ocorresse quando a participação no esporte alterasse de algum modo relacionamentos importantes na vida do jovem. De forma específica quando essa participação leva pais, amigos, técnicos ou professores a encararem o jovem de maneira mais séria e lhes dar mais apoio e estímulo.

Sabe-se que nas categorias de base do São Paulo existe um certo controle com relação as notas dos jovens atletas que jogam pelo clube, e esse controle é bem rigoroso. Isso pode afetar também na maneira como o atleta leva sua vida escolar, já que ela exerce grande influência na sua permanência no time. Esse controle não acontece em todas categorias de base, aliás, é bem incomum isso acontecer, porém é bastante relevante na formação do atleta.

Foi feito também um estudo com relação a participação no esporte e o comportamento desviante. Essa questão é muito debatida, tendo em vista que implica o fato de “manter os jovens fora das ruas”. Porém, não foi encontrado um resultado significativo que comprove o fato de que a participação em esportes competitivos reduza a prevalência de comportamento desviante. A natureza da experiência esportiva individual, as especificidades de cada indivíduo e o ambiente competitivo interagem para determinar o impacto da participação no esporte sobre os desvios de comportamento.

Coakley (1997 apud WEINBERG & GOULD, 2001) pontua que a participação no esporte terá um efeito positivo na redução de comportamento desviante em atletas se eles praticarem esportes em associação com uma ênfase expressa nos seguintes aspectos:
  • Filosofia de não-violência;
  • Respeito por si mesmo e pelos outros;
  • Importância da aptidão física e do autocontrole;
  • Confiança nas habilidades físicas; e
  • Senso de responsabilidade.
Isso nos leva a pensar que o simples fato de tirar os meninos da rua não vai ser o suficiente para reduzir o desvio de comportamento. Mas a maneira como são passados os valores do esporte e quais são esses valores que o técnico prega é que vai fazer a diferença. Se for enfatizado a hostilidade contra os outros, domínio dos adversário e vitória a qualquer preço, por exemplo, não pode-se esperar que as taxas de desvio de comportamento diminuam.
Portanto, o esporte pode agregar valores para a vida de um atleta, mas é preciso estar atento a quais tipos de valores estão sendo passados e de que forma eles estão apreendendo esses valores.

Saudações tricolores!

Raísa Lobato
Psicóloga
CRP 06/109459

Referências Bibliográficas:
WEINBERG, R. & GOULD, D. Fundamentos da Psicologia do Esporte e Exercício. 2ed. Editora Artmed. 2001