A torcida representa muitas vezes uma poderosa fonte de apoio e encorajamento para seu time. Esse apoio fica evidente quando a equipe joga em casa, devido ao maior número de torcedores presentes. Há algum tempo atrás, o São Paulo jogar no Morumbi era sinônimo de vitória na certa. Porém, hoje em dia o time não se apresenta mais como imbatível quando é o mandante do jogo. A questão de hoje é: existe comprovadamente vantagem em jogar em casa ou não?
Divulgação
É comum em diversos esportes existir um empenho maior do time durante toda a competição pelos melhores resultados para que na fase decisiva, possam ter a oportunidade de jogar em casa.

De acordo com Weinberg & Gould (2001) as pesquisas tem mostrado que os times geralmente vencem mais em casa. Porém, esportes que são praticados em estádios, ao ar livre, como no caso do futebol e do beisebol, essa vantagem é pequena comparando-se aos esportes praticados em locais fechados. Os autores acreditam que isso se dá provavelmente por conta da proximidade dos torcedores com a ação e o nível de ruído que eles geram em estádios fechados, que aumenta o desempenho dos jogadores.

Além dessa questão com relação ao espaço físico em que o esporte é praticado, foi feito um estudo que demonstra que essa pequena vantagem pode se perder em jogos decisivos.
Em estudo feito com o beisebol (que apresenta a mesma condição que o futebol com relação ao espaço físico) comprovou-se que à medida que os jogos se tornavam mais críticos e a pressão aumentava, o fato do time ser o mandante era uma desvantagem. Ao invés de se sentirem motivados pelos seus torcedores, os times da casa ficavam paralisados sob pressão.

A questão da vantagem ou desvantagem de ser o mandante é um pouco confusa e apresenta algumas divergências entre os pesquisadores da área, como vocês podem perceber. Porém, Weinberg & Gould (2001) apresentam algumas conclusões com relação à questão:
– durante a temporada normal, há uma notável vantagem do mando de campo tanto para equipes profissionais quanto amadoras;
– a vantagem de jogar em casa ocorre tanto em esportes individuais como em coletivos, bem como para ambos os gêneros (feminino e masculino);
– durante as decisões há uma suposta desvantagem com relação ao mando de campo, porém a evidência que apoia essa decisão é ambígua.

Uma coisa é certa, jogar fora de casa ou em casa não decidirá uma partida, quiça um campeonato inteiro. Não é o local onde está sendo realizado o jogo mas o trabalho de uma equipe inteira. Uma preparação bem planejada e formulada de acordo com as peculiaridades da equipe, com objetivos claros, feita pela comissão técnica que serão verdadeiramente fatores decisivos para a vitória e o sucesso da equipe.

Saudações tricolores!

Raísa Lobato
Psicóloga
CRP 06/109459

Referências Bibliográficas:
WEINBERG, R. & GOULD, D. Fundamentos da Psicologia do Esporte e Exercício. 2ed. Editora Artmed. 2001