Por Mayra Soares (@soaresmayra)

Saudações Tricolores!

 Luiz Pires/VIPCOMM

No dia 8 de novembro de 1980, nascia um futuro futebolista, seu nome? Era composto, Luís Fabiano Clemente.

Dia 30 de junho de 1988 nasci! E nasci são-paulina, mas minha história com o São Paulo começa bem antes disso, antes até do nascimento de Luís Fabiano.

Arquivo Pessoal

Sou filha de um são-paulino, que é filho de são-paulina e que é filha de um são-paulino.
Ficou confuso? Vou explicar…

Isso mesmo, meu bisavô Joaquim Carmo da Silva, são-paulino, casou-se com Ernestina Igina da Silva, teve 3 filhas. Minha bisavó faleceu e Sr. Joaquim casou de novo, e do segundo casamento nasceram 9 filhos. Todos são-paulinos.

Cresceram, casaram-se, foram influenciados, algunsmudaram de time, outros não torcem pra time nenhum.

May além de ser a nova São Paulinda do site,
também é a SPL do mês de Setembro.

Foi do primeiro casamento do meu bisavô que nasceu a minha avó Cercina Silva Soares, e é dessa senhora que quero falar agora. Ela se casou com Osvaldo Soares, meu avô, mineiro e torcedor do Galo. Meu avô que agora morava na Grande São Paulo, foi escolher um time pra torcer, passou a torcer pelo Santos, claro, década de 60, nessa época muitos “santistas” surgiram, hoje sabemos que eram, como meu querido e saudoso avô, “pelézistas”.

Se formos pensar no que era comum na época, então meu pai Carlos Henrique, meu tio Osvaldo Junior, e minha tia Cristina deveriam ser Santistas. Sim porque mulheres deveriam lavar, passar, cozinhar e cuidar dos filhos, a parte da diversão e do futebol, elas deveriam deixar para os homens.

Mas aqui aconteceu muito diferente.

Minha avó não só torceu pelo São Paulo a vida toda, como ensinou que torcer para o Mais Querido, era uma tradição de família que eles deveriam passar para os seus filhos, porque torcer para esse time seria orgulho para toda a família.
Ela tinha toda razão.

Meu pai se casou e teve três filhos são-paulinos. Meu tio Osvaldo Junior teve dois filhos também são-paulinos.

E minha tia Cristina, por ironia do destino, casou- se com um Santista, mas teve três filhos tricolores!

Quando completei4 anos de idade, ganhei minha primeira camisa Tricolor e o primeiro título da Libertadores.

A minha história com o São Paulo é muito mais do que uma relação com um clube de futebol, é uma história de amor, uma história que envolve família e muita paixão.

O tempo foi passando, o SPFC acumulando títulos, minha família acumulando alegrias, assim como toda torcida tricolor.

Arquivo Pessoal

Hoje, minha estreia no São Paulindas, é também o jogo de número 200 do FABULOSO.

Lembram daquele menino de nome composto que citei no começo do texto?

O menino virou homem. De Luís Fabiano passou a ser Fabuloso, um dos artilheiros do clube, e que hoje defende o São Paulo pela ducentésima vez.

Luís Fabiano é mais um dos jogadores que me fazem orgulhar em vestir essa camisa!
E quanto ao time das três cores mais lindas do mundo…
… à ele dedico um amor que não para de crescer!