Saudações tricolores!

O SPFC encontra-se em um momento crítico: saiu do Paulista, eliminado pelo Santos mais uma vez e perdeu o primeiro jogo do mata-mata da Copa do Brasil para a Ponte Preta. Ou seja, se não conseguir ganhar por dois gols de diferença da Ponte no Morumbi, o primeiro semestre do tricolor foi todo por água abaixo. 
Aqui entre nós, esta Copa do Brasil está uma das mais fáceis de se ganhar. Primeiro, por motivos óbvios, muitos times brasileiros estão na Libertadores e assim não disputam a competição nacional. E não são times ruins. E os times brasileiros que estão na Copa do Brasil, muitos não estão no topo, caso de Grêmio (já perdeu o Grenal e está fora do Gaúchão, isso sem contar com seu principal atacante machucado). 

Ou seja, um título importante como a Copa do Brasil poderá escapar com o time parando na Ponte Preta. Então, o que está acontecendo? O time é tão ruim assim? A Ponte é tão boa assim? Nem uma coisa nem outra…! 

O time da Ponte Preta não é fantástico. Tem dois bons jogadores (Caio e Renato Cajá), mas não é fantástico. Mas o nosso time não é um horror, mas está longe de ser fantástico ou bom. Calma, calma, eu explico…Eu como são-paulina há muito tempo já passei por várias fases do clube. E a fase atual não é tão difícil de explicar, mas para o torcedor mais fanático torna-se missão ingrata. Isso porque o torcedor mais fanático muitas vezes torna-se cego para a realidade, achando que simplesmente por ser tri-campeão mundial e tri-campeão da Libertadores, além de hexa-brasileiro, o SPFC pode simplesmente e facilmente chegar em qualquer final. Poder pode, mas não é o que vem acontecendo. E o motivo disso chama-se filosofia errada
Acredito que o clube hoje esteja colhendo os danos de uma filosofia errada. Explico: para o tricolor vencer competições mata-mata precisa de um time bom. Time, não elenco. Já expliquei isso aqui antes, em colunas anteriores: para se vencer mata-mata, é preciso de um time. Para se vencer o Brasileirão, é preciso de elenco. Quando se fala em time, pensa-se em um atacante que não falhe. Que não perca penalties. Que não esteja suspenso em jogos decisivos. Simples assim. Isso é time vencedor. Time vencedor tem zaga praticamente infalível. É aquela zaga que põe medo em tudo quanto é atacante. Time vencedor tem goleiro que não falha. Ou quase não falha. E que não toma gol bobo quando o time está tentando empatar. Time vencedor não tem jogador que some em campo. Time vencedor não tem técnico cabeça-dura que vê que a escalação está errada mas não muda. E não tem presidente querendo esticar mandato, indo contra estatuto do clube. Leia estas linhas e diga-me: será que este time atual do SPFC tem a filosofia de vencedor? Será que esta diretoria tem? Será que o nosso técnico tem? 
Ou mais aparece um monte de jogador contratado, muitos que a gente nem sabe o que estão fazendo ali, outros morando no departamento médico, um time sem padrão de jogo, sem jogadores confiáveis, com zaga tomando gol a torto e direito, com jogador sumido em campo, com jogador mais reclamando de arbitragem do que jogando, com técnico errando a escalação… ??
Espero que o SPFC passe pela Ponte Preta, lógico. Mas não ficarei surpresa se não passar. 
E o Brasileirão vem aí… E lembrando, também não temos elenco para o Brasileirão. Pra mim, está na hora de mudar de filosofia. Novas contratações, mudança do perfil do time. Urgente! Senão, será mais um ano em branco. Infelizmente.

Thaís Cachuté Paradella.

PS1: Em tempo, absurda a decisão da Federação Paulista colocando os dois jogos da final do Morumbi. Guarani e Santos ambos têm estádio. Se não tivessem estádio próprio, até vá lá. Mas ambos tem! O primeiro jogo deveria ser feito no Brinco de Ouro e o segundo na Vila Belmiro. Simples assim. Incrível como dirigentes gostam de aparecer e acabam comprometendo todo o espetáculo. Facilitou para o Santos. Complicou para o Guarani. E perde o futebol.
PS2: Mais absurda ainda a decisão de devolver a taça de Bolinhas. Ora, o primeiro penta campeão legítimo, sem poréns, foi o SPFC. Logo, a taça deveria estar com o tricolor. Mas imagina tomar uma decisão que legitima a zona que é o Flamengo… Como pode um ano ter dois campeões? Como assim o Flamengo é campeão com porém? Sim, porque como fica o Sport nessa? Patético. E pra torcida, digo como são-paulina, ninguém está nem aí pra esta taça. O que vale mesmo é ser campeão legítimo.