Por Jaque Amaral – @_jaqueamaral .

No mês de Abril, estaremos colocando matérias especiais comemorando o ANIVERSÁRIO DO CANAL SÃO PAULINDAS! São 3 anos acompanhando, opinando e principalmente apoiando o Tricolor, e o sucesso que conseguimos até hoje se dá graças à vocês, leitores! OBRIGADA! 
No especial de hoje falarei sobre Maurren Maggi. Atleta são-paulina que faz bonito no atletismo feminino, especialmente no salto em distância no qual é recordista. Conheça um pouco mais da carreira dela, suas conquistas e desafios.

Foto : Jonne Roriz/ AE

Maurren deixou sua primeira marca na história do esporte nos Jogos Pan-Americanos de 1999, em Winnipeg (Canadá), depois de ter conquistado duas medalhas (Ouro e Prata). Maurren Maggi venceu a prova de Salto em Comprimento e foi 2ª nos 100 metros. No mesmo ano, nas Universíadas em Palma de Maiorca (Espanha), a brasileira conquistou a medalha de Bronze no Salto em Comprimento. 

Dois anos depois, nas Universíadas de Pequim, medalha de Ouro no Salto em Comprimento e medalha de Prata nos 100 metros. Entre estes dois bons resultados, Maurren participou dos Jogos Olímpicos de 2000, em Sidney (Austrália) como candidata ao ouro, mas sofreu uma contusão muscular em meio à disputa e disse adeus ao sonho de medalha.
Após ser acusada de doping em 2003 pelo uso de clostebol (a substância estava em um creme depilatório que Maurren utilizou), ela foi suspensa, ficou fora dos Jogos de Atenas e havia praticamente desistido do esporte. Foi um período difícil, tendo em vista que Maurren teria muito o que conquistar e era a grande promessa do Brasil. 
Retornou aos treinamentos em 2006 e às competições em 2007. Faz um modesto salto de 6,84m, que é o suficiente para garantir a vitória nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro. 
Foto : Marcelo Pereira/Terra
Já em 2008, Maurren Maggi entrou para a história do desporto brasileiro, ao tornar-se a primeira, e até agora única, mulher sulamericana a conquistar uma medalha de ouro olímpica individual, com um salto de 7,04m. 
Vocês tricolores, que acompanham minha matéria devem se lembrar de Adhemar Ferreira da Silva, bicampeão olímpico no salto triplo, que foi atleta do São Paulo. Adhemar é lembrando ainda hoje no emblema do clube por meio das duas estrelas douradas, que homenageiam os recordes mundiais obtidos nos Jogos Olímpicos de 1952 e Panamericanos de 1955. E ele, é um dos grandes referenciais e inspirações da nossa atleta são-paulina.

Foto: Site oficial

“Seria uma honra ter uma estrela minha. Tenho mais estes anos na minha carreira. E até encerrar vou fazer o possível e impossível para ter as melhores condições para colocar uma estrela na camisa do São Paulo. Eu espero fazer metade do que ele fez pelo São Paulo, o que é muito difícil, mas eu estou vestindo a camisa do clube e espero conseguir”. (Maurren Maggi)