Saudações tricolores!

Hoje o SPFC encara o Santos no Morumbi valendo pela semi-final do Paulista. Jogo decisivo para o tricolor que não contará com Luís Fabiano, suspenso. Esta será a primeira decisão para o SPFC pois, se ganhar, vai disputar a final do Paulista. Se perder, resta só a Copa do Brasil neste primeiro semestre. Ou seja, a preparação inteira deste primeiro semestre entra em campo hoje e o adversário não é bobo também.

O Santos vem de uma derrota contra o Bolívar pela Libertadores no jogo de ida. O time pode estar mais cansado por ter tido uma longa viagem de ida/volta, além do jogo em si na altitude. O SPFC não jogou durante a semana, pois o jogo contra a Ponte, válido pela Copa do Brasil, foi adiado por causa da chuva.

Sem Luis Fabiano no comando do ataque, o time deve ganhar a presença de William José. Casemiro também deve ser titular. Será um jogaço e acho que Lucas deve assumir a responsabilidade de comando das jogadas.

Mudando radicalmente de assunto, esta semana o Barcelona foi eliminado pelo Chelsea pela Champions League. Guardiola deixou o comando do Barça. O time espanhol ganhou muitos títulos neste período que Guardiola esteve em seu comando. Certamente, jornalistas agora dirão que o futebol bonito não ganha título. Que o importante é ter uma bela retranca, volantes quebradores e contra-ataque. Sinto muito, jamais vou achar que isto é futebol vencedor. A postura de 11 na defesa sempre foi postura de times pequenos, inferiores na qualidade, quando iam enfrentar times melhores tecnicamente. Achar que este esquema de jogo é o que deve ser adotado sempre me desanima. Mas certamente os ‘entendidos’ de futebol dirão isso agora. Como disseram quando o SPFC perdeu a Libertadores em 1994 com o mestre Telê Santana. Esquecem-se os títulos, lembra-se das derrotas. Maneira pequena de ver o futebol.

Por que estou dizendo isso? Porque hoje vamos enfrentar um time que pode até ser tecnicamente melhor que o nosso. Mas achar que ficar na defesa, esperando o Santos jogar pra partir no contra-ataque nunca em pleno Morumbi, não é nem de longe a maneira de vencer o jogo de hoje. Aliás, o próprio Barcelona que o diga.

Thaís Cachuté Paradella.