O empresário de Lucas, Wagner Ribeiro, levou os pais do jogador à Europa para conhecerem as cidades dos times que estariam interessados em contar com o garoto em seu elenco. Conversaram com o técnico do Real Madrid, José Mourinho, que se mostrou bastante interessado em contar com o jogador em seu clube. Antes, já haviam visitado também a cidade de Londres, onde fica o Chelsea, e Milão, para conhecer a Inter.
A ida da família para a Europa não foi bem vista pela diretoria são paulina. Os dirigentes do Tricolor se irritaram com a postura de Wagner Ribeiro, pois além de a visitar ter ocorrido sem a diretoria do São Paulo saber, foi considerada um desrespeito com o Clube, já que estamos na reta final do Campeonato Paulista e passando por um momento importante na Copa do Brasil, competição cobiçada pelo Tricolor, já que é uma das poucas que nunca conquistamos.
A preocupação dos dirigentes é com a possibilidade de Lucas e sua família ficarem balançados com as especulações, com a estrutura dos times europeus e até mesmo com o assédio.
Nesta quarta-feira, Adalberto Baptista, diretor de futebol do São Paulo, afirmou rispidamente que a intenção do empresário com esse “leilão secreto” do passe do jogador era somente “aparecer”. Disse ainda, que nem se lembra quando foi a última vez que Wagner Ribeiro fechou um negócio, e que lamenta pelo seu momento familiar e financeiro, que o mantém desesperado, ironizou.
Porém, não foi só a diretoria são paulina que perdeu a paciência com Wagner Ribeiro. Em entrevista concedida no último sábado, o técnico Emerson Leão deu uma “alfinetada” no agente, dizendo que qualquer clube que tenha interesse no jogador, deve procurar somente o São Paulo.
O pai de Lucas entretanto, tranquilizou, afirmando que o filho está muito feliz e satisfeito no clube paulista,  com o salário, e que tem planos no Brasil, como, por exemplo, a Copa do Mundo de 2014, não tendo a intenção, portanto, de ir para a Europa no momento.

Todos nós sabemos que a “briga” por nossos jogadores com os times europeus é desleal. Chega a ser covardia. Nenhum clube brasileiro tem estrutura financeira para cobrir todo o conforto e riqueza que a vida no velho mundo oferece, ainda mais neste meio. O sonho da grande maioria dos jogadores de futebol é jogar na Europa, justamente pelo salário e pelo glamour que a Europa proporciona.
Temos consciência de que Lucas e outros jogadores que se destacarem, não só no São Paulo, mas no futebol brasileiro, cedo ou tarde, acabam indo para a Europa, cedo ou tarde. Mas o que choca nesses acontecimentos não são as ofertas ou a possibilidade de Lucas ir embora; o que causa indignação é a falta de respeito do empresário de colocar um jogador que tem contrato com o São Paulo, tem compromisso com o clube, em uma espécie de leilão entre outros clubes.
A imprudência de Wagner Ribeiro não pode ser tolerada. Mas não há dúvidas de que a grandeza do Tricolor supera a mente vazia de empresários como ele.
Agora deve-se apenas manter o foco na partida contra a Ponte Preta pela Copa do Brasil, e na partida contra o Santos, pelo Paulistão. Avante Tricolor!