Envergonha-me profundamente abrir os sites de noticias, jornais, ligar a televisão e ver a seguinte notícia: “Confronto entre torcedores acaba com X mortos, X feridos e X presos”. Torcedores? Não, não. Eles podem ser chamados de qualquer coisa, menos de torcedor.
Nunca entendi – e se alguém quiser me explicar, fique à vontade – a relação entre espancar o rival e o clube do coração ganhar o jogo ou o campeonato. Tamanha violência desses pseudo-torcedores não faz nenhum sentido.

Não sou a favor de torcidas organizadas e nunca escondi isso de ninguém. O motivo é simples, muitos marginais travestidos de bandidos se filiam a essas torcidas com um único propósito: extravasar o ódio descabido contra outro ser humano. E o que acaba acontecendo são cenas iguais a de domingo passado: dois mortos.

E não é somente uma torcida que age assim: São Paulo, Corinthians, Santos, Palmeiras, etc. todas, sem exceção já foram manchete dos jornais por causa de brigas e violência.

Torcer não é brigar, é apoiar o seu time. O futebol é muito mais do que 11 contra 11. Existe toda uma administração dos clubes, muito dinheiro envolvido, regras, histórias, etc. só quem entende que o futebol vai além do campo, é que consegue entender o que é torcer de verdade.

Ele não pode estar todos os jogos no estádio (eu pelo menos nunca me senti menos torcedora porque não frequento o Morumbi), é aquele que sabe por que a derrota foi daquele jeito, e porque as vitórias acontecem.

Torcedor sai de casa pra ver jogo, para levar a família ao estádio. Para mostrar para o filho (a) pequeno (a) a maravilha que é esse espetáculo. Porque tanto ódio com o adversário? Se você matar um rival seu time vai ganhar três pontos?

Sem contar a selvageria que acontece quando o time perde ou ganha campeonato. Depredação de espaço público, bagunça, baderna. Uma coisa é ir às ruas para comemorar, outra coisa é comemorar quebrando a rua. Qual é o sentido de fazer isso? Nenhum.

Não é assim. O Brasil é o país mais violento quando se fala de torcidas de futebol. Para mim, minha opinião, toda torcida organizada deveria acabar, ou pelo menos, deveriam repensar a imagem que elas passam que atualmente é a de reduto de marginais.

É claro que isso não é regra. Só para citar um exemplo positivo de Jundiaí. As torcidas Gaviões da Fiel, Mancha Verde, Gamor e do Santos se uniram e antes do Carnaval, todos eles juntos foram doar sangue para encher o estoque da Colsan, todos, no mesmo dia e vestidos com as camisas do seu clube de coração. Vira e mexe você vê atitudes desse tipo unindo todas as torcidas organizadas na cidade. Eles querem tirar essa impressão negativa que só existe marginal.

Porque não seguir esse exemplo? Porque continuar brigando, matando e sendo motivo de vergonha nacional? Está na hora de repensar o conceito de torcedor. Brigar pelo seu time, não é sair brigando literalmente; é cobrar dos jogadores, é aplaudir vitórias e entender derrotas. É brigar para vê-lo sempre ganhando títulos.

Não se pode ganhar sempre. Em um dia você é o piadista, mas do mesmo jeito que você faz piada com todo mundo, precisa entender e aguentar que vão fazer piada com você quando seu time perder. É natural, ninguém vai morrer por causa disso.

Chega de violência, chega de estupidez, chega de usar o esporte para praticar vandalismo e crimes. Chega de as torcidas organizadas serem redutos de marginais. Já é a hora de acabar com isso.