O Tricolor começou o ano contratando, mais ainda faltam algumas peças para o nosso time, entre eles um lateral-direito. Leão já pediu e a diretoria negou, mas eu como torcedora vou mentalizar para que seja contratado um lateral como Pablo Forlán, pois estamos precisando de um jogador assim em nosso elenco. Hoje vocês vão poder conhecer um pouco mais da história desse grande craque.
Nascido em 14 de julho de 1945, em Mercedes no Uruguai, Pablo “bruxo” Forlán jogou pelo Peñarol, Cruzeiro, Nacional, Defensor Sporting e São Paulo. No tricolor defendeu nossas cores entre 1970 e 1976, e firmou-se como ídolo da torcida e um apaixonado pelo São Paulo. Lateral direito, jogou duas Copas do Mundo pela Seleção Uruguaia, nos anos de 1966 e 1974.
Pelo tricolor foram 240 jogos com apenas 48 derrotas, oito gols marcados e três títulos paulistas. Era conhecido como um jogador raro, valente e vibrante. Lendo sobre ele lembrei muito do Lugano, mas elevado a décima potência! Antonio Carlos Sandoval Catta-Preta escreveu uma coluna sobre esse ídolo com trechos muito felizes, que achei importante destacar pra vocês:
“Dizem que Forlán, ao defrontar-se com Gérson, logo no primeiro treino, depois de entrar nele com a fúria habitual vendo-o estupefato, prostrado no chão, aos berros a reclamar, tranquilizou-o: “use à vontade a sua canhotinha de ouro, mas nunca contra mim, nos jogos ninguém vai incomodar você, se o fizerem vão se haver comigo” – disse-lhe Forlán, com o dedo em riste”.
Com essa valentia o São Paulo voltou a ganhar sob o comado de Forlán em campo. E ele continua:
“Walt Disney concebeu, em “Branca de Neve”, a figura da bruxa definitiva, a figura da bruxa magrela, alta, de cabelos compridos e desarvorados, de nariz aquilino e de olhos aterradores que torturavam as crianças em seus pesadelos. Pablo Forlán tinha o jeito daquela bruxa, e no gramado enchia de pavor os pontas adversários, os transformando em meras criancinhas assustadas”.
O bruxo encerrou sua carreira de jogador em 1984 jogando pelo Defensor do Uruguai. Foi técnico do São Paulo em 1990, antes de Telê Santana, e foi responsável pela contratação do Leonardo e disparada do Cafu no time titular. Um grande sonho seu é ver seu filho Diego Forlán vestir a camisa do Tricolor, seu time do coração. Eu espero realmente que um dia esse sonho se realize, seria bom que fosse logo, pois precisamos de um companheiro para Fabuloso, mas esse é um tema para uma próxima coluna.  
Isabelle Guerini – Torcedora Apaixonada
Fontes:
http://terceirotempo.ig.com.br/coluna_materia.php?id=702