Durante a semana vocês leitores do São Paulindas irão acompanhar nossas matérias especiais de fim de ano. “Os melhores jogadores que já vestiu o Manto Tricolor” será o tema especial dessa semana! 

O homenageado desta vez é campeão e gigante dentro e fora dos gramados. Ele é Zetti.
Fonte: globoesporte.com



Armelino Donizete Quagliato, conhecido mundialmente como Zetti, nasceu em Porto Feliz, interior de São Paulo, no dia 10 de Janeiro de 1965.
Desde pequeno Zetti demonstrava seu interesse por esporte, a princípio se destacava no vôlei, mas influenciado pelo irmão que jogava como goleiro, Zetti descobriu o futebol e nunca mais o largou.  Escolheu ser goleiro, escolheu ser campeão.  Em praticamente todos os clubes em que passou foi campeão, sendo goleiro ou sendo técnico.
Sua carreira foi iniciada ainda bem jovem. Aos 17 anos Zetti já fazia parte do elenco do Palmeiras. Mas enfrentou problemas com a titularidade, pois no time alviverde havia muitos goleiros, assim foi emprestado para o Toledo, time do Paraná, no qual fez sua estréia como profissional. Atuando como destaque, Zetti conseguiu um lugar na seleção de juniores do Paraná, que foi campeão do Brasileiro daquele ano e foi eleito o melhor goleiro do Estado. Um ano após essa conquista voltou ao Palmeiras. Mas protagonizava o mesmo filme de antes, sem espaço entre os titulares foi emprestado novamente, dessa vez para o Londrina. Depois de 2 anos Zetti voltou ao Palmeiras como terceiro goleiro. Passou quase um ano e meio assistindo aos jogos da beira do gramado sem oportunidades, até que sua sorte começara a mudar no momento que, o então goleiro do Palmeiras Martorelli, havia sido expulso, foi ai que Zetti pode mostrar seu futebol vestindo a camisa alviverde. A partir de então Zetti se tornou titular absoluto e começou uma grande sequência, 1.238 minutos sem sofrer gol, sequência que lhe rendeu manchetes de jornais especulando quem iria furar a “Grande muralha Branca”.
Fonte: Site Oficial do Zetti
Mas a carreira de Zetti não foi marcada somente por glórias. Em 1988 na disputa de bola com Bebeto, Zetti se lesionou e teve que ficar fora dos gramados se recuperando por 8 meses. Após se recuperar encontrou, novamente, dificuldades em voltar à titularidade. Até que em 1990 se transferiu ao São Paulo FC.
Novamente se deparou com o banco de reservas, mas esse filme já havia acontecido uma vez e não se repetiria. Três meses depois Zetti viajou com o Tricolor para o México. Neste momento iniciaria sua carreira grandiosa no São Paulo FC. No Torneio Quadrangular de León, Zetti agarrou quatro pênaltis garantindo o título do Tricolor Paulista.



Fonte: tricolornaweb.com.br



No São Paulo construiu uma carreira de 6 anos. Uma carreira no qual levou o Tricolor a inúmeros títulos: Campeonato Brasileiro (91), Bicampeonato Paulista (91 e 92), Bicampeonato Mundial (92 e 93) e Taça Libertadores da América (92 e 93). Na final da Libertadores de 92, contra o Newell’s Old Boys, da Argentina, Zetti defendeu o pênalti que deu a vitória ao São Paulo. Nesse momento todos os jogadores abraçaram e comemoraram com Zetti, ao som de 120 mil torcedores no Morumbi gritando seu nome. Com tantas glórias, Zetti foi escolhido por inúmeros jornalistas de diversos países como o 5º melhor goleiro do Mundo. E seus títulos lhe renderam a participação no tetracampeonato da Seleção Brasileira em 94.

Após uma grande carreira como goleiro, Zetti decidiu tornar-se técnico. Comandou a equipe sub-20 do Tricolor. Em 2004 foi vice campeão com o Paulista de Jundiaí e, no mesmo ano, levou o Fortaleza para a série A. Em 2006 foi vice campeão paranaense com o Paraná e disputou Libertadores e em 2008 comandou o Juventude e conquistou o vice campeonato gaúcho.



Fonte: Site Oficial do Zetti



Atualmente, Zetti se dedica a projetos relacionados ao futebol como sua academia para goleiros “Fechando o gol”, participa do “Atletas pela cidadania”, é comentarista, faz publicidade e palestras.
Para Zetti, o atual melhor goleiro do Brasil é Jefferson do Botafogo.
“Ano passado eu o critiquei muito, mas o goleiro depende do seu time, e o Botafogo não estava tão bem. Este ano, o Jefferson foi merecedor por ter sido convocado para a Seleção Brasileira. A sua maior conquista foi conseguir manter uma regularidade no Campeonato Brasileiro.” – Zetti
Com tantas qualidades, hoje alguns torcedores comparam Zetti a Rogério Ceni, e se arriscam a escolher o melhor.
Mas só existe uma certeza, tanto um quanto outro estão marcados na história do Tricolor.
Eu não torço mais, não tenho essa vibração. Gosto do futebol, vivo do futebol e torço para os amigos, independente do clube em que estejam. Mas eu me identifico com o São Paulo, a torcida se identifica com o Zetti também, por tudo que foi conquistado. O carinho maior é pelo São Paulo, foi lá que conquistei tudo. – Zetti
Fonte: Site Oficial do Zetti