Olá, queridos Tricolores.
Hoje vou tratar de um assunto meio fora dos gramados, mas que está ligado a ele.
É que eu não achei a foto que mais representasse minha situação
Como alguns devem saber, eu vim de um berço palestrino. Meus pais, seu Jossué e dona Silvia, são palmeirenses. Quando foram casados, eles torciam pelo time, mas nunca foram em estádio e tal. Depois que se separaram que minha mãe resolveu se interessar mais e ir aos jogos.
Mas, acredito que pra total desgosto deles, ao menos na área futebolística, fizeram duas filhas apaixonadas por futebol, mas sem genes verdes (e agradeço profundamente a Deus por isso). Uma é SOBERANA, MAIOR DO MUNDO, 6-3-3, enfim, é uma SÃO PAULINDA; a outra não tem história, não tem estádio, não tem passaporte, Libertadores, enfim, é uma centernada. E a coitadinha ainda mora no Japão, local onde o MAIOR DO MUNDO já esteve 3 vezes.
Dados estes fatos, é muito engraçado ver como as famílias gostam e se interessam por futebol. E que muitas delas se encaixam em situações semelhantes a da minha. Pais e mães torcendo para times diferentes dos dos filhos, que muitas vezes, cada um torce para um time. Isso quando você não tem um tio, um primo, até mesmo um vô ou uma vó que torcem pra times diferentes. Nesse ponto, tenho uma grande salada mista na família: vó materna é corinthiana, tio/padrinho corinthiano, mãe palmeirense e tio caçula SOBERANO. Nem cito os primos porque são muitos e eu vou me perder, mas um deles é Soberano também e jogou um tempo com o Kaká na escola de futebol. Quanto mais ampliamos o horizonte familiar, e nisso incluo a família de maridos/namorados e afins, a coisa, em geral, tende a piorar. Cada jogo é uma aventura.
Claro que o sempre prevalece é o espírito familiar, saber que a “rivalidade” só existe nos 90 minutos de bola rolando. Depois, e o mais importante, é viver na paz familiar…
… Até que venha outro jogo, de preferência, um clássico.
Quem vive esse dilema na família? Deixe seu registro nos comentários.
Por hoje é isso.
Beijos tricolores
Uma apaixonada pelo São Paulo e pelo futebol.
Créditos da imagens: Projeto de Mãe e Google