Boa tarde, Tricolores!

Ontem, logo após a vitória Tricolor contra o Cruzeiro, ouvi algumas entrevistas sobre o jogo e duas me chamaram a atenção: a de Rogério Ceni, ainda à beira do gramado, e a de Rivaldo, já em entrevista coletiva.

Rogério mais uma vez mostrou porque é ídolo. Sua declaração: “Tem gente que diz que me meto demais nos assuntos do clube, que ajo como se eu fosse o dono… Se todas as pessoas que trabalham em uma empresa agissem como se fossem donos dela, com certeza, os resultados seriam melhores”.

E ainda completou: “No fundo, eu me sinto um pouco dono sim, afinal, é o meu time do coração”. É com isso que se faz um ídolo. Raça, determinação, persistência são importantes, mas o FUNDAMENTAL é o AMOR À CAMISA.

O próprio Milton Cruz, técnico interino do São Paulo, admitiu que o M1to o ajudou a ajeitar o time em campo e chegou a dar ordem para aquecerem. “A gente pensa igual, mesmo em termos de jogadores, esquema tático”.


Rivaldo foi outro jogador que me impressionou ontem. Dentro das quatro linhas, provou que é titular nesse time do São Paulo. Jogou bem, criou e participou de muitas jogadas, inclusive das que resultaram nos dois gols do Tricolor.

Fora de campo, provou que é um baita profissional ao preferir não alfinetar o ex-técnico Carpegiani, que o manteve no banco. Limitou-se a agradecer a chance que lhe foi dada: “Claro que a gente sempre quer oportunidade. Foi uma opção dele não me dar oportunidade. Mas não adianta falar do treinador. Agora é dar continuidade. Ainda tenho lenha pra queimar”.

Rival10 também disse estar muito satisfeito com o apoio da torcida Tricolor: “Fico feliz com isso [apoio da torcida], desde que cheguei tiveram carinho enorme por mim”.

O Tricolor provou ontem que tem time para brigar pelo título. E cá entre nós, eu não vejo a hora de ver Rivaldo e Lucas jogando juntos no meio-campo com Luís Fabiano no ataque!
VAMOS SÃO PAULO, VAMOS SER CAMPEÃO!

Amanda Amaro – SãoPaulina apaixonada.
Fotos: UOL